Última hora

Última hora

Fitch desfere novo golpe à Grécia e à zona euro

Em leitura:

Fitch desfere novo golpe à Grécia e à zona euro

Tamanho do texto Aa Aa

A nova degradação do “rating” da Grécia é mais um cartão amarelo à zona euro. Face aos desentendimentos sobre o segundo plano de resgate a Atenas e às hesitações na marcação de uma Cimeira Europeia para tecer uma resposta comum, a Fitch desceu a notação da Grécia para apenas um nível acima de “incumprimento”.

A Comissão Europeia considera a decisão incompreensível. “Lamentamos e temos dificuldade em perceber esta decisão da Fitch. A União Europeia e o FMI acabaram de concordar em ceder mais uma parcela de apoio financeiro à Grécia, o que mostra que as condições para o reembolso foram garantidas”, considerou a porta-voz da Comissão, Pia Ahrenkilde.

Na terça-feira, foi a vez do “rating” da Irlanda ter sido reduzido para um nível considerado ‘lixo’ pela agência Moody’s, a mesma que há uma semana desvalorizou a dívida soberana de Portugal.

Face ao poder das agências norte-americanas, fala-se cada vez mais na possibilidade da criação de uma agência de “rating” europeia. Há, ainda, quem defenda a emissão de “obrigações europeias”.

É o caso da eurodeputada Pervenche Berès, que há muito defende “a ideia de uma mutualização da dívida dos membros da zona euro. É um elemento absolutamente necessário para reforçar os laços políticos entre os diferentes membros da zona euro”, explica.

Mas o eurogrupo ainda não se pôs de acordo sobre a participação dos credores privados no novo pacote de ajuda à Grécia. Alemanha, Holanda e Finlândia exigem que os privados participem no resgate. O Banco Central Europeu é contra. As agências ameaçam que qualquer modelo de envolvimento dos privados será considerado como “incumprimento seletivo”.

O economista Pierre Defraigne, teme que “tudo escape ao controlo, que a especulação atinja outros países, colocando-os em dificuldade com o aumento brutal de taxas e que todos os alicerces da zona euro vacilem”.

Com a zona euro debaixo de fogo, os responsáveis europeus comprometeram-se a apoiar os bancos que chumbem nos testes de resistência, cujos resultados vão ser conhecidos esta sexta-feira.