Última hora

Última hora

Murdoch, o "todo-poderoso"

Em leitura:

Murdoch, o "todo-poderoso"

Tamanho do texto Aa Aa

Rupert Murdoch, o todo-poderoso magnata da imprensa, tornou-se no centro de interesse dos media e da contestação popular.

Murdoch pede desculpas, uma imagem bem diferente do empresário que construiu o perfil de um homem duro e frio, motivado unicamente pelos negócios, o lucro e o poder.

Murdoch vangloria-se de ter feito eleger a maioria dos primeiros-ministros britânicos desde os anos 70. Um poder que coloca ao serviço dos conservadores, na década de 80 e inícios dos anos 90, como dos trabalhistas, mais tarde, para voltar depois aos conservadores quando a estrela do New Labour entra em declínio.

Patrick Wintour, jornalista político no “The Guardian” recorda esse momento: “O que a imprensa de Murdoch tende a fazer é tentar perceber quem vai ganhar as próximas eleições, ou quem está bem posicionado, e depois apoia a figura em causa. Tornam isso público, como no congresso do Partido Trabalhista, quando o jornal ‘The Sun’ tornou público que abandonava Gordon Brown para apoiar David Cameron. Uma demonstração de poder muito arrogante.”

Rupert Murdoch foi o primeiro grande patrão dos media a ser recebido pelo novo primeiro-ministro britânico, David Cameron, em maio 2010, ao qual o magnata deu apoio.

Posteriormente, seguiram-se outras audiências com com executivos da News Corporation, a que assistiram, entre outros, Rebekah Brooks e James Murdoch.

Mas o mais embaraçoso para David Cameron é a contratação de Andy Coulson, antigo redator chefe do ‘News of the World’.

“O principal desafio é explicar porque é que, contra os conselhos de várias pessoas, Cameron decidiu nomear diretor de comunicação o antigo editor chefe do ‘News of the World’. Não só o fez diretor de comunicação do Partido Conservador, como também o levou ao número 10 de Downing Street quando ganhou as eleições”, explica Partick Wintour.


View Rupert Murdoch's empire in a larger map

Envolvido no escândalo das escutas ilegais, Andy Coulson teve de demitir-se em janeiro deste ano do posto de chefe de comunicação de Cameron.

Detido a 8 de julho, Coulson está agora em liberdade mediante o pagamento de uma fiança.