Última hora

Última hora

Michel Barnier: "Pedimos aos privados que participem na recuperação dos países"

Em leitura:

Michel Barnier: "Pedimos aos privados que participem na recuperação dos países"

Tamanho do texto Aa Aa

Como Comissário Europeu para os Mercados Financeiros, Michel Barnier está na linha da frente, na luta contra a crise económica e financeira. Dá corpo à necessidade que a União Europeia tem de regular os mercados financeiros. O comissário crê que a crise que atingiu a Europa teve origem nos bancos norte-americanos. É por isso que Michel Barnier acredita que as supervisões e responsabilização do sistema bancário são essenciais para proteger os poupadores europeus.

Euronews: Senhor Comissário, será que os cidadãos europeus devem começar a preocupar-se, seriamente, com as suas poupanças?

Michel Barnier: Sinceramente penso que não. Semana após semana, colocamos em ordem a regulamentação. Exigimos transparência e responsabilidade a todos os agentes financeiros, em todos os mercados, e em todos os produtos que utilizam. Vamos levar a votação um texto para garantir os depósitos dos poupadores e dos investidores.

E: Exatamente, de que tipo de proteção é que os investidores europeus podem vir a usufruir?

MB: O texto é muto claro. A lei que vai ser votada exige um reembolso, uma garantia de até 100.000 euros para os depósitos dos cidadãos poupadores. Quero ir além da proteção dos consumidores. O importante é o emprego, o crescimento, a competitividade do nosso continente e, para isso, devemos tirar ilações da crise travou o crescimento, e a competitividade. Esta crise custou 10% do PIB Europeu pois demorou-se a salvar o sistema bancário, que está diretamente ligado às poupanças dos cidadãos.

E: É um passo importante, ou seja, dando mais responsabilidade aos bancos, no que diz respeito à capitalização…

MB: Nós vamos mesmo implementar a lei europeia e se o Parlamento e o Conselho seguirem as recomendações de Basileia 3 para aumentar o capital e os fundos próprios de todos os bancos europeus, são 8230, então vamos ser os primeiros, em todo o mundo. Esperamos que outros continentes, incluindo os Estados Unidos, o façam também.

E: Os testes de resistência mostraram a necessidade dessas medidas?

MB: Os testes de resistência são sobre acontecimentos possíveis e são, mesmo, muito úteis. Vamos melhorando todos os anos. Este anos foram mais rigorosos, mais transparentes e credíveis.

E: Levaram em conta os seguros sobre obrigações?

MB: É verdade que há testes que foram feitos em apenas certas atividades Em termos de riscos sobre a dívida soberana é fácil de calcular, quem depende de quem e quem está exposto ao quê.

E: Será que existe algum risco, no atual sistema, de que caso um país entre em insolvência, os bancos entrem também?

MB: Participámos no resgate de três países: Grécia, Irlanda e Portugal. Colocámos em ordem as ferramentas de emergência dos governos, como os fundos de solidariedade. Configurámo-las, também, para que não recomece. O que não deve recomeçar? O endividamento.

E: Mas essas dívidas devem desaparecer. Elas estão em poder de alguns bancos, por isso esses bancos ficaram expostos. Então qual é a solução?

MB: Pedimos, e esse debate teve lugar no Conselho Europeu, que o setor privado participe na recuperação de países como a Grécia e que

mantenha o nível de exposição. Não se trata de aceitar o incumprimento. Não é um plano de apoio qualquer.

E: Mas o BCE é contra…

MB: Contra o quê?

E: A participação dos privados.

MB: A discussão continua. É uma questão de participar e manter o nível de exposição. É não aceitar qualquer incumprimento. Todo o plano de apoio e solidariedade foi elaborado, justamente, para que não haja nenhum incumprimento por parte de um Estado ou dos bancos.

E: Mas as agências de notação afirmam que qualquer acordo com os bancos, para que participem no resgate à Grécia, será considerado como uma espécie de falta de pagamento.

MB: Nós não temos essa opinião. A discussão está a decorrer, e fazemos tudo para evitar o incumprimento e essa é, precisamente, a filosofia e o propósito do plano de apoio apresentado à Grécia, embora considere lógico e legítimo que o setor privado tenha um papel neste esforço coletivo, pois é também do seu interesse. No que diz respeito às agências de notação, estou surpreendido por assistir aos cortes das classificações, nos últimos meses, sem qualquer aviso prévio a esses países, que estão comprometidos com um importante esforço coletivo.

E: Os cortes da dívida soberana de alguns países, por exemplo da Zona Euro, são feitos por agências de notação que não estão na Europa. Não deveríamos dar mais responsabilidade à União Europeia? Não deveríamos criar uma agência europeia, controlada por instituições europeias?

MB: Tem razão ao dizer que existem poucas agências de notação. Três grandes agências mundiais não são suficientes, quando sabemos a importância que estas notações têm nos atos financeiros. Por isso a primeira coisa a fazer é aumentar a concorrência e assim, de uma maneira ou de outra, espero que incentivemos a iniciativa privada a criar mais agências de notação. É, também, importante reduzir a influência das notações, reduzir a dependência das notações. A criação das regulamentações, incluindo as bancárias, está baseada nas notações. O que proponho, hoje, é que os bancos estabeleçam os seus próprios juízos sem se basearem no que essas agências dizem.