Última hora

Última hora

Corno de África, uma geração em risco de ser dizimada pela fome

Em leitura:

Corno de África, uma geração em risco de ser dizimada pela fome

Tamanho do texto Aa Aa

Habibo, é esta pequena somaliana de 1 ano. Com apenas 6 quilos, quase cega por causa da malnutrição, luta contra a morte neste campo dos Médicos Sem Fronteiras, em Dabaab, no Quénia, a 80 quilómetros da fronteira com a Somália.

Outras crianças da Somália nâo tiveram a sorte de chegar até aqui, morreram durante a viagem.

A falta de vitamina A já roubou parte da visâo a Habibo. A sua mâe, Marwo Maalin olha por ela dia e noite, para tentar consolar a filha que não pára de chorar por causa dos espasmos abdominais.

“A minha filha está muito doente, e o pai ficou na Somália… Eu rezo para que, aqui, ela volte a andar pelos próprios pés, nâo posso fazer mais nada a nâo ser entregar tudo a Deus.

A fome ameaça 12 milhões de pessoas no Corno de África e estende-se até ao Sudão e Uganda. Mas no sul da Somália a ONU já decretou o estado de crise de fome.

Tidhar Wald, da OXFAM Internacional:

“Se a comunidade internacional não vier em auxilio das pessoas atingidas, a situação vai piorar. Sabemos que perto de 100 crianças morrem todos os dias na Somália, mas este é um número que pode ser muito maior e ainda mais grave.

Em Mogadíscio, capital da Somália destruida por 20 anos de guerra civil, aqueles que conseguiram fugir do sul, chegam famintos aos centros de distribuição de alimentação do Programa Alimentar Mundial. A sua diretora executiva, Josette Sheeran, afirma que há dois milhões de pessoas sem ajuda.

“ Eles precisam de um suplemento alimentar fortificante em quantidades gigantescas, nas zonas onde ainda nao conseguimos chegar. Principalmente no sul da Somália, onde encontramos uma população enfraquecida, e é nestes que temos de nos concentrar.

O sul é controlado pelos islamistas da Al Chabaad, próximos da Al Qaeda, eles impedem as ONG de fazer chegar a comida até aqui.

Esta fome, a mais grave desde há 20 anos, atinge sobretudo as crianças. E, no Corno de África corremos o risco de perder toda uma geração.