Última hora

Última hora

Noruega: Defesa de Breivik quer alegar insanidade mental

Em leitura:

Noruega: Defesa de Breivik quer alegar insanidade mental

Tamanho do texto Aa Aa

Será que Anders Behring Breivik é louco no sentido psiquiátrico do termo?

Pelo menos essa é a linha de defesa que quer adotar o advogado, Geir Lippestad:

“- Todo o caso nos mostra que está louco”.

No entanto, para muitos psiquiatras, o grau de premeditação e de organização do duplo ataque exclui a doença mental.

O criminologista Laurent Montet, equaciona:

“- Pensa que os nazis ou, de modo geral, os que organizam militarmente o extermínio de populações estão todos afetados pela doença mental?

Não, claro que não. São pessoas que, por diferentes razões, atuam de maneira premeditada e organizada. Este indivíduo de Oslo é um dos mais organizados que conhecemos na versão de assassino de massas. A doença mental não é defensável…francamente, não tem muito sentido”.

Breivik fez um manifesto com 1.518 páginas na internet a que chamou “2083, uma declaração europeia de independência”, antes do massacre, o que diz muito sobre a própria personalidade.

Obcecado pela classificação, com muitas referências literárias, denunciou aquilo a que chamou marxismo cultural e multiculturalismo que favorecem a islamização da Europa.

O texto é um autêntico guia.

Explica como montar uma empresa fantasma – neste caso a Geofarm – para procurar os fertilizantes necessários para a confeção de uma bomba e como se inscrever num clube de tiro para obter a licença de uso e porte de armas sem levantar suspeitas…

Também descreve o equipamento ideal do assassino solitário: colete antibalas, granadas de mão, luvas. Chega ao ponto de aconselhar o tipo de anabolizantes que se deve ingerir para aumentar a massa muscular e como se preparar mentalmente antes de passar ao ato.

Ex-operador de telemarketing e depois chefe de uma empresa de importações e exportações, especifica os rendimentos para, nas próprias palavras, não dar a imagem de um nazi derrotado, doente e pedófilo.

Nestas circunstâncias, alegar insanidade mental parece complicado.