Última hora

Em leitura:

Política por trás da guerra comercial do Kosovo e da Sérvia


Kosovo

Política por trás da guerra comercial do Kosovo e da Sérvia

É uma guerra comercial que esconde outra: a questão da independência do Kosovo que a Sérvia se nega a aceitar.

Na quarta-feira, 20 de julho, as autoridades kosovares impuseram um embargo às importações sérvias como resposta ao embargo dos produtos kosovares na Sérvia, em vigor desde a independência do Kosovo, em 2008.

Lulzim Demolli, chefe do posto da polícia aduaneira em Podujeva, confirma:

“Ontem às oito da noite, começámos a aplicar a decisão do governo do Kosovo. Não reconhecemos os carimbos aduaneiros sérvios e todas as importações procedentes da Sérvia serão devolvidas.”

A razão principal do bloqueio é a soberania do Kosovo. Belgrado, que continua a considerar o vizinho como província meridional, recusa qualquer importação com um símbolo do Estado do Kosovo e não reconhece os carimbos dos passaportes kosovares..

Adotando a mesma medida, o Kosovo envia agora uma mensagem mais política do que comercial.

O Kosovo importa produtos no valor de 2 mil milhões de euros, dos quais 270 milhões correspondem a produtos importados da Sérvia.

Safet Gergjaliu, presidente da Câmara de Comércio do Kosovo, acusa a Comissão Europeia de imobilismo:

“- A Comissão Europeia não fez nada nos últimos quatro ou cinco anos, enquanto a Sérvia bloqueava as mercadorias do Kosovo, e não aplicava o Tratado de Livre Comércio da Europa Central (CEFTA). Deviam ter sido mais ativos.”

Mas o estatuto do Kosovo também é contestado a nível interno. Os sérvios do Kosovo não reconhecem a soberania de Pristina na parte norte do território.

Também protestam contra a presença de polícias albanokosovares no posto fronteiriço de Jarinje.

O Kosovo tem um milhão e 700 mil habitantes, dos quais 90% são albaneses. Reagrupados no norte, vivem apenas 60 mil sérvios.

Para eles, a capital está do outro lado da fronteira, em Belgrado, onde as autoridades não estão dispostas a ceder terreno a Pristina.

Oliver Ivanovic, secretário de Estado para o Kosovo, acusa:

“- Isto é claramente parte de um plano para controlar totalmente o norte de Sérvia e os sérvios que vivem ali. E o que é pior, não acho que os albanokosovares tenham concebido este plano sozinhos, tudo isto parece ser parte de um acordo com a comunidade internacional que apoia a independência do Kosovo e considera a zona norte como o principal obstáculo para a independência total.”

Depois do apaziguamento nas relações entre o Kosovo e a Sérvia, e sob a égide de Bruxelas, em que se conseguiram superar alguns obstáculos práticos, as conversas foram adiadas até setembro depois deste brusco redobrar de tensão.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

PM chinês promete justiça às vítimas de desastre ferroviário