Última hora

Última hora

Atilla Sandikli: "Sistema democrático turco tem vindo a melhorar"

Em leitura:

Atilla Sandikli: "Sistema democrático turco tem vindo a melhorar"

Tamanho do texto Aa Aa

A agenda da Turquia está a ser marcada pela demissão de quatro líderes militares. O analista turco Atilla Sandikli diz que “não há sinais de que o governo tenha moldado o exército em função dos seus interesses ou que tenha desrespeitado a sua autonomia”. Pelo contrário, vê as mudanças como uma prova de que “o sistema democrático turco tem vindo a melhorar”.

euronews: “Ao longo dos 88 anos de República, a Turquia teve três golpes de Estado. Contudo, quase dez por cento dos militares estão presos ou em julgamento. Neste contexto, esta série de demissões é um sinal de guerra entre os militares e o governo ou faz parte do processo de normalização entre ambos?”

Atilla Sandikli, analista: “Os recentes acontecimentos fazem parte da normalização, sobretudo durante o processo de adesão à União Europeia. O sistema democrático turco tem vindo a melhorar. A Turquia está habituada a um governo controlado pelos militares. Mas, agora, como qualquer país moderno, estamos a fazer progressos para ter um exército que aceite a superioridade do governo e que o deixe liderar.”

euronews: “Se estas demissões tivessem acontecido antes, teriam havido grandes reações do povo turco ou uma queda nos mercados turcos ou, até, inquietudes da comunidade internacional. Mas hoje a atmosfera está mais calma. Porquê?”

Atilla Sandikli: “A atmosfera mais calma é um sinal que mostra até que ponto a democracia da Turquia tem evoluído. As pessoas não gostavam da pressão que o exército fazia sobre as autoridades. A nação estava à espera e preparada para mudanças. Agora não há crise.”

euronews: “Qual vai ser a visão da nova liderança do exército turco? Até que ponto vão intervir na política? Ou não vão envolver-se de todo?”

Atilla Sandikli: “A partir de agora, os líderes militares vão aceitar a superioridade do governo e vão trabalhar em harmonia com ele. A liderança militar não costumava ser assim e isso era uma das maiores críticas no relatório da União Europeia sobre os progressos da Turquia.”

euronews: “Há receios de que o exército esteja a perder independência? O que pensa disto?”

Atilla Sandikli: “As nomeações dos novos líderes mostram que o Supremo Conselho Militar agiu de acordo com a lei. Para os postos mais importantes, escolheu pessoas que podem trabalhar em harmonia com o Governo. Mas para os lugares inferiores não interveio de todo.Tendo isto em conta, não há sinais de que o governo tenha moldado o exército em função dos seus interesses ou que tenha desrespeitado a sua autonomia.”