Última hora

Última hora

"Operalia": Estreia em Moscovo

Em leitura:

"Operalia": Estreia em Moscovo

Tamanho do texto Aa Aa

In partnership with:

A competição de vozes de música clássica mais importante da atualidade, “Operalia”, aconteceu pela primeira vez em Moscovo. Foi criada por uma lenda viva da ópera: o tenor espanhol Plácido Domingo.

A “Operalia” viaja todos os anos para uma nova cidade. Em 2011, apenas 13 jovens talentos chegaram à final, na capital Russa.

Plácido Domingo apoia os concorrentes durante os preparativos. Na final, o maestro em pessoa assume o controlo da batuta.

A vencedora da edição deste ano, a sul-africana Pretty Yende, de 26 anos, descobriu a ópera há uma década. Diz que a sua vida mudou: “A primeira vez que ouvi ópera foi em 2001. Estava em casa com a minha família a ver televisão. Vimos um anúncio. Tinha uma música de fundo. Foram apenas dez segundos, mas o tempo suficiente para me dar algo que eu sabia que deveria ter, mas ainda desconhecia do que se tratava.

No dia seguinte disse a um professor da escola: Ouvi isto na televisão. Sabe o que é? Respondeu-me que se chamava ópera. Eu perguntei: Então é algo que qualquer um pode fazer? É humano? Porque soa a algo sobrenatural?”

Pretty Yende trabalhou a voz ao longo de todos estes anos. Algo imprescindível, de acordo com Galina Vishnevskaya. Para a cantora russa de ópera e membro do júri da competição uma boa voz não basta: “Se o cantor não controlar a voz, o aparelho fonético, se não dominar a técnica, ainda que tenha muito talento e um bom o sentido da música é inútil, não pode fazer nada, não pode exprimir-se. É nulo.”

Além da técnica há outro segredo para alcançar o sucesso: controlar os nervos. Todos os candidatos se preparam de maneira diferente para o grande momento.

Há anos que René Barbera queria candidatar-se à competição. Em 2011, o norte-americano de 27 anos ganhou finalmente coragem: “Inacreditável. Sinto-me fantástico. Para começar ainda não acredito que ganhei e depois três prémios. Agora o prémio principal. É inacreditável. Há alguma pressão. Temos grandes nomes aqui, mas tento não pensar nisso.”

Nesta edição de “Música” pode ouvir extratos de:

“O mie fedeli… Ah, la pena in lor piombò” de Beatrice di Tenda de Vincenzo Bellini.

“Ah mes amis… Pour mon âme’ aria de La fille du régiment” de Gaetano Donizetti.

“La tempranica: Sierras de Granada” de Gerónimo Giménez.