Última hora

Última hora

Eixo motor do crescimento na zona euro surpreende pela negativa

Em leitura:

Eixo motor do crescimento na zona euro surpreende pela negativa

Tamanho do texto Aa Aa

O crescimento na zona euro foi mais lento no segundo trimestre com o eixo franco-alemão a perder potência em ritmo de recuperação económica.

O PIB das 17 nações da moeda única aumentou apenas 0,2 por cento de abril a junho, em relaço ao trimestre anterior, muito abaixo do crescimento do primeiro trimestre de 0,8%.

A economia da Alemanha quase estagnou no segundo trimestre de 2011. O Produto Interno Bruto germânico subiu 0,1% face aos primeiros três meses do ano, altura em que o crescimento tinha sido de 1,3%. Ainda assim, conseguiu superar a estagnação da França, 0%, da Hungria e de Portugal.

A desaceleração afectou a esmagadora maioria das economias europeias, com todos os grandes Estados a apresentarem crescimentos em cadeia incipientes: 0,3 por cento em Itália, 0,2 no Reino Unido e em Espanha.

Com a zona euro mergulhada na crise da dívida e a ter de se converter à austeridade, a divulgação dos valores de crescimento ainda preocupa mais os mercados, como afirma o analista Oliver Roth:

“Já havia alguns investidores muito preocupados com a situação económica no mundo, mas esperava-se que a Alemanha tivesse um bom ano. Por isso estamos verdadeiramente surpreendidos e preocupados com os números do PIB alemão, o que se reflete nos mercados”.

Aumentou o receio de propagação da crise de economias como a da Grécia, da Irlanda e de Portugal para as economias mais fortes. E agora com os números do crescimento tão baixos em toda a zona euro, uma segunda recessão é já uma hipótese a ser considerada.

Apesar de se esperarem resultados das decisões políticas tomadas agora.