Última hora

Última hora

Opções da Líbia

Em leitura:

Opções da Líbia

Tamanho do texto Aa Aa

Os rebeldes estão às portas de Tripoli. Mesmo se o regime líbio não para de desmentir esse avanço, as tropas cercam a capital, a poucas dezenas de quikómetros. E quanto mais o cerco dos rebeldes se aperta, mais as opções do Grande Guia da Revolução diminuem.

Não está excluido um cenário de combate s até ao banho de sangue. O porta-voz dos militares rebeldes, considera que não serão todos os habitantes a bater-se até à morte, mas grande parte dos cidadãos vai fazê-lo.

Coronel Ahmed Omar Bani:

“- Não acho que os milhões de pessoas que vivem em Tripoli lutem contra a revolução . A maioria é da guarda da revolução e da milícia de assassinos de Kahdafi, estão envolvidos em crimes. Combatem porque não têm para onde ir”.

As imagens captadas na capital parecem atestar isso mesmo. O ambiente é tenso, mas nada mais. Prepara-se uma eventual ofensiva dos rebeldes.

Os cercos por terra, mar e ar, em nada afectam a retórica de Khadafi que ontem mesmo, já depois da tomada de Zauia pelos rebeldes, defendia que “o fim dos colonizadores está próximo e o fim destas ratazanas (expressão que usa frequentemente em referência aos rebeldes) está próximo”. Numa mensagem áudio transmitida pela televisão estatal, o líder líbio exortou ainda os seus apoiantes a preparem-se “para a batalha para libertar” a Líbia.

Fontes tunisinas confirmam que o emissário do secretário-geral das Nações Unidas para a Líbia, Abdel Ilah Khatib, juntou-se na segunda-feira às negociações secretas que agrupam, desde o fim de semana, na ilha de Djerba, no sul da Tunísia, representantes das autoridades líbias e da oposição armada dirigida pelo Conselho Nacional de Transição (CNT).

Também foi confirmada a presença de responsáveis sul-africanos: o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, é membro do Comité ad Hoc da União Africana (UA) para a resolução da crise líbia.

De qualquer modo, começou a contagem decrescente e tem de ser encontrada uma solução nos próximso dias, entre uma solução política negociada ou militar, tendo em conta as mudanças rápidas que ocorrem nas frentes de combate.

Colocam-se várias hipóteses de exílio para Khadafi se ele sobreviver ao que chama a batalha final…o ocidente está interessado em tudo menos fazer dele mártir.