Última hora

Última hora

Futuro incerto de Strauss-Khan

Em leitura:

Futuro incerto de Strauss-Khan

Tamanho do texto Aa Aa

Pode dizer-se que Dominique Strauss-Kahn estava no topo do mundo e que a posição foi literalmente invertida em pouco tempo.

E agora, depois da humilhação de uma detenção estatal com vigia de 24 horas para evitar o suicídio e da prisão domiciliária, apesar de dourada, o antigo do patrão do FMI vai ter de limpar a imagem se quiser regressar à ribalta.

Os correlegionários do Partido Socialista francês já estão a preparar o regresso à política.

Decorria 2006, quando Strauss-Kahn tentou ser candidato presidencial nas primárias do PS.

Mas nesse ano, o brilho foi todo para o fenómeno Segolène Royal e o barão socialista não chegou à corrida final.

Dominique Strauss-Kahn converteu-se, a seguir, numa espécie de filho pródigo. Depois desta derrota, partiu e assumiu a direção do FMI, nos piores momentos da crise económica. Lentamente, começaram os rumores sobre uma possível candidatura às presidenciais francesas contra Nicolas Sarkozy.

François Hollande, que o substituiu como favorito dos socialistas à corrida presidencial, vê-se outra vez ultrapassado, agora, não pela ex-mulher, mas pelo controverso Strauss-Khan.

Francois Hollande: “Considero que, apesar de tudo o que se disse, um homem com as qualidades de Strauss-Kahn ainda poder ser útil ao país”.

Mas ainda há zonas sombrias na carreira política deste mago da Economia, ex-professor da Universidade de Nanterre: apesar de muitas das queixas de abusos sexuais terem sido retiradas em França, a de violação da afilhada, filha de 2a ex-mulher, denunciada em 2007, ainda é válida.