Última hora

Última hora

Kiri Te Kanawa passa o testemunho

Em leitura:

Kiri Te Kanawa passa o testemunho

Tamanho do texto Aa Aa

A soprano Kiri Te Kanawa continua a cantar lindamente, mas ao mesmo tempo não esquece os mais jovens. A euronews foi conhecê-la na Suíça, no prestigioso festival de Verbier.

O público em geral relaciona imediatamente Kiri Te Kanawa com árias como “O mio babbino caro” de Puccini, um trecho que apareceu na banda sonora do filme “Quarto com vista sobre a cidade”.

A soprano neo-zelandesa tem já mais de 40 anos de carreira: é uma das vozes mais apreciadas dos anos 70, 80 e 90. Pisou os maiores palcos e trabalhou com os maiores maestros.

Nos Alpes Suíços, na mais recente edição do festival de Verbier, Kiri Te Kanawa deu um recital e uma série de “masterclasses”.

Este é um festival onde os grandes artistas de hoje se cruzam com as estrelas de amanhã.

Hoje, mais do que na carreira pessoal, a soprano está concentrada na formação dos jovens. É esse o objetivo da fundação que criou.

Diz Kiri Te Kanawa: “Adoro trabalhar com jovens, é muito inspirador. Eles são fantásticos e ficam extremamente agradecidos. Têm fome de aprender e não é preciso dar-lhes muito, eles simplesmente aprendem. Isso é também muito inspirador”.

Kiri Te Kanawa convidou os alunos a participar no concerto dela, onde interpretaram o conhecido sexteto da ópera “Così Fan Tutte” de Mozart.

Paralelamente, há também um festival alternativo, o Fest’Off.

Gerir a respiração é um dos pilares do método de ensino de Kiri Te Kanawa. Mas a soprano não esconde, aos alunos, que a fama tem um lado mais obscuro: “Sacrificamos muito pela carreira. Tudo o que tenha a ver com manter os laços e a vida familiar. Pensamos que temos tudo, mas não temos. Não podemos ter tudo. Temos de fazer uma escolha entre a vida familiar e a carreira”.

Sobre o resultado das aulas, acrescenta: “Quando ouvimos um aluno que estivemos a ensinar e o vemos sozinho, a fazer o que deve fazer, esse é um dos momentos de grande satisfação. Sentimos um grande calor no coração, sentimos que o trabalho resultou. Essa é uma sensação enorme! Talvez um dia venha o tempo em que vou querer estar a descansar debaixo de uma palmeira e não voltar a trabalhar. Mas, para mim, esse tempo ainda não chegou”.

Kiri Te Kanawa é uma artista generosa, honesta e que parece não se levar demasiado a sério – o que é mais que uma lição de música.

Nesta reportagem pode ouvir excertos de:

- “O mio babbino caro”, da ópera Gianni Schicchi de Giacomo Puccini;

- Sexteto, cena XI, ato I, Così fan tutte, de Wolfgang Amadeus Mozart;

- “Final monologue” da Masterclass de Jake Heggie.

Pode ainda ouvir o grupo “36 rue du swing” a interpretar um trecho de jazz cigano, no âmbito do Fest’Off de Verbier.