Última hora

Última hora

Polícia russa detém dezenas de apoiantes da oposição em protesto

Em leitura:

Polícia russa detém dezenas de apoiantes da oposição em protesto

Tamanho do texto Aa Aa

O fim do mês é sinónimo de detenções na Rússia. Esta quarta-feira, a polícia prendeu cerca de 60 apoiantes da oposição, à margem dos protestos pela liberdade de expressão em Moscovo e São Petersburgo.

Entre os detidos na capital russa está Konstantin Kossiakine, um dos líderes do movimento “Frente de Esquerda”: “Hoje não há eleições. Eles querem que escolhamos entre aqueles que selecionaram antes, apenas aqueles partidos. Nós temos uma opinião diferente. Pensamos que não nos deixam escolher quem queremos e por isso acreditamos que estas eleições e todo o sistema são ilegais. Propomos mudar o sistema político.”

Como sempre, um forte contingente policial mobilizado para o efeito foi célere na resposta, arrastando os manifestantes para as várias camionetas prontas a levá-los para as esquadras da polícia.

“Estou aqui para apoiar o artigo número 31 da Constituição. Estou aqui porque tal como todos os outros cidadãos do nosso país tenho o direito de reunir livremente quando quiser sem armas, sem nada, e expressar a opinião. Neste momento não podemos fazer isso”, denuncia Maria Orlovskaya.

Todos os meses com 31 dias do ano, a oposição convoca uma manifestação em defesa do Artigo Nº 31 da Constituição, que autoriza a liberdade de expressão na Rússia.

Os manifestantes exigem, entre outras coisas, eleições livres. As próximas legislativas realizam-se a 4 de dezembro e de acordo uma sondagem se o escrutínio se realizasse no próximo domingo, o Partido Rússia Unida, dirigido pelo primeiro-ministro, Vladimir Putin, venceria com 54 por cento dos votos.

Boas notícias para que a dupla Medvedev/Putin continue a funcionar como uma multifacetada “matrioska”.