Última hora

Última hora

Colonos judeus defendem que não há espaço para dois Estados

Em leitura:

Colonos judeus defendem que não há espaço para dois Estados

Tamanho do texto Aa Aa

Bet El, entre Nablus e Ramalah, é um dos 130 colonatos judeus da Cisjordânia. Fundado 10 anos depois da guerra dos Seis Dias, tem cerca de 6 mil habitantes vindos não só de Israel, mas também da França, da Rússia, dos Estados Unidos, da Argentina, e mesmo da Índia.

Esther Shenfeld , que chegou a Jerusalém quando tinha seis meses, vive em Bet El há cinco anos. Instalou-se numa das casas pré-fabricadas, porque arrendar um apartamento mais confortável é demasiado caro para esta mãe que espera um terceiro filho.

Esther:

“- Árabes, conhecemos os vossos planos. Sabemos que não é paz…pelo contrário. Se querem paz, podemos tê-la, mas porque devemos renunciar à nossa casa pela paz? É o nosso lar, e espero que os meus filhos possam crescer aqui”

Moshe Rosenbaum, membro de uma das famílias pioneiras de Bet El e presidente da câmara municipal da cidade, também tem uma opinião firme sobre a exigência palestiniana de um Estado:

“- Posso entender que (Mahmmoud Abbas) Abu Mazen queira fazer isto. Mas é mau para nós, e também para os palestinianos, porque nunca poderemos estar de acordo com a criação de um Estado palestiniano aqui, porque esta é a nossa terra.

Não há espaço para outro Estado. Se houvesse um Estado palestiniano, estaríamos em guerra o tempo todo. Veja o que se está a passar na Faixa de Gaza.”

E quando perguntamos ao rabino de Bet El, de origem franco-polaca se os dois povos criados por dois irmãos, Isaac, o judeu, e ismael o muçulmano podem vir a entender-se, eis a resposta:

“Não há nenhum problema. Podemos conseguir a fraternidade. Nós sempre estendemos a mão da fraternidade. Os países árabes atacaram-nos em várias ocasiões, não fomos nós que os atacámos a eles. Imaginando que amanhã depomos as armas: posso assegurar-lhe que em questão de meio dia, o Estado judeu fica destruído.”

Para os jovens que nasceram em Bet El, é impensável deixar a localidade. É o caso de Ayal Dan, de 20 anos, que chegou mesmo agora de férias:

“- Sentir-me-ia mesmo mal, cresci aqui. É lindo. Acabo de regressar de Amaya Spring, onde há uma água cristalina…não posso imaginar que me expulsem de casa… isso não vai acontecer, não vai.”

Isabel Ces, enviada especial da euronews, comenta:

“ Isto é Bet El, a casa de Deus em hebreu. Aqui, nesta rocha, registou-se o episódio bíblico da escada de Jacob, em que Deus lhe promete, a ele e aos descendentes, toda esta terra. Foi o que justificou a instalação deste povo israelita sobre o ano 1977.”