Última hora

Última hora

Costa do Marfim: Uma comissão para reconciliar o país

Em leitura:

Costa do Marfim: Uma comissão para reconciliar o país

Tamanho do texto Aa Aa

A Costa do Marfim tem desde ontem uma comissão de reconciliação. Trata-se de uma tentativa para ultrapassar uma divisão que só no período pós-eleitoral provocou a morte a mais de três mil pessoas.

A “Comissão Diálogo, Verdade e Reconciliação” vai ser presidida pelo ex-primeiro-ministro Charles Konan Banny e inspira-se na que foi estabelecida na África do Sul no fim do Apartheid.

Para o presidente Alassane Ouattara – “a verdade precisa que expressemos de coração aberto questões sensíveis como o problema das propriedades rurais, a imigração, as questões identitárias, as represálias e a violência exercida sobre as populações.”

A comissão tem dois anos para tentar curar as feridas de uma década violenta que culminou na crise pós-eleitoral desencadeada em dezembro de 2010 pelo ex-presidente Laurent Gbagbo ao não reconhecer a derrota ditada pelas urnas. Apesar desta iniciativa, o partido de Gbagbo já se disse marginalizado pelo novo poder e ameaça boicotar as próximas eleições.