Última hora

Última hora

Tristan Banon " se não tivesse conseguido escapar ele tinha-me violado"

Em leitura:

Tristan Banon " se não tivesse conseguido escapar ele tinha-me violado"

Tamanho do texto Aa Aa

O caso Banon Strauss-Khan esbarra na falta de evidências materiais para provar a tentativa de violação ocorrida em 2003.

Num entrevista dada à televisão pública esta quinta-feira, jornalista francesa mantém as acusações face ao antigo diretor do FMI que apenas admite ter tentado beijá-la.

“Eu sempre pensei que ele ia pedir desculpas, bem sei que não vai admtir o crime, mas ele podia ter pedido desculpas por aquilo que admite ter feito. Mas nem sequer olhou para mim. Eu fixei-o tempo todo e ele nem ousou olhar-me”.

Mantém que sofreu uma violenta agressão e que teve de debater-se?

“Não foi uma violenta agressão, foi uma tentativa de violação e repito isso. Eu sei, estou convecida de que se não me tivesse batido, se não tivesse conseguido fugir, ele ter-me-ia violado. Mas não existe prova material”.

Para o antigo director do FMI, as acusações da jornalista são “imaginárias e caluniosas”.

Na manhã de ontem, os dois protagonistas confrontaram-se, sem a presença dos advogados, na sede da polícia judiciária em Paris.

As conclusões vão agora ser entregues à procuradoria para que decidia se existe ou não processo.

Se for considerado um caso de agressão sexual de menor gravidade será arquivado, uma vez que já se passaram oito anos desde o incidente, mas se forem encontradas provas no âmbito das investigações que estão a decorrer desde Julho poderá haver processo..