Última hora

Última hora

Preço do gás divide Moscovo e Pequim

Em leitura:

Preço do gás divide Moscovo e Pequim

Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de sete mil milhões de dólares. É o montante dos acordos assinados nos dois dias da visita do primeiro-ministro russo a Pequim.

O presidente chinês, Hu Jintao, tratou Vladimir Putin como “um velho amigo” e não escondeu a vontade de reforçar a parceria estratégica com Moscovo.

Finanças, agricultura e tecnologia são algumas das áreas que prometem aproximar China e Rússia. Mas há questões que continuam a dividir as duas potências como, por exemplo, o preço do gás.

Em jogo, está o abastecimento do território chinês com perto de 70 mil milhões de metros cúbicos de gás russo em 30 anos. Falta apenas definir as tabelas de preços, que russos querem indexar à evolução do petróleo nos mercados, uma ideia rejeitada pelos chineses.