Última hora

Última hora

Chile: mineiros resgatados lutam contra stress pós-traumático e desemprego

Em leitura:

Chile: mineiros resgatados lutam contra stress pós-traumático e desemprego

Tamanho do texto Aa Aa

Foi há um ano no Chile. 33 mineiros voltavam a ver a luz do dia, depois de terem passado cerca de dois meses a 700 metros de profundidade.

Um pesadelo com sequelas.

Do grupo, apenas quatro regressaram às minas. O stress pós-traumático alterou por completo a vida destes homens. Muitos estão de baixa médica, outros sobrevivem graças às ajudas do Estado. Há também quem se tenha aventurado no negócio da venda de fruta e legumes. É o caso de Dario Segovia.

O antigo mineiro admite que passou por “momentos muito difíceis” depois de ter sido resgatado. Diz que não tem dinheiro e que tem, apenas, vontade de trabalhar e de seguir em frente, juntamente, com a família.

A operação de resgate correu o mundo e os homens que ficaram encurralados num mina passaram para as capas do jornais. Uma popularidade que, garantem, não enriqueceu ninguém.

Omar Reygadas afirma que muitas vezes sente que incompreendido e insultado por pessoas que pensam ter ganho muito dinheiro com tudo o que aconteceu. E, garante que isso, não é verdade.

O sinal de vida pelo qual todos esperavam chegou ao fim de cerca de duas semanas. A mensagem de que os mineiros estavam vivos gerou uma onda de euforia. Mas há medida que o tempo passa, os 33 homens começam a perder a esperança de dias melhores.