Última hora

Em leitura:

A morte anunciada do WikiLeaks


Reino Unido

A morte anunciada do WikiLeaks

A fonte secou para o WikiLeaks. O bloqueio imposto pelas redes Visa, Mastercard, PayPal e Western Union está a levar o sitio web à falência.

Julien Assange, o fundador e inimigo público da América, explicou numa conferência de imprensa:

“O bloqueio custou à organização dezenas de milhões de dólares em donativos e em direitos resultantes dos acordos de publicação em 50 países, por cerca de 90 órgãos de comunicação e organizações humanitárias. Os nossos escassos recursos vão centrar-se agora inteiramente na luta contra este bloqueio ilegal”.

De acordo com a WikiLeaks, as receitas dos donativos passaram de mais de 70 mil euros por mês, a pouco mais de cinco mil euros. Para já, foi anunciada a supensão da publicação de documentos secretos até ao final do ano mas, se as redes de pagamento automático não forem restabelecidas, o sítio será obrigado a encerrar definitivamente.

Julien Assange diz aguardar ainda em Novembro uma decisão da Comissão Europeia sobre a queixa que apresentou por violação das regras da concorrência.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Turquia: milhares de pessoas passam noite gelada ao relento