Última hora

Última hora

O Outono Árabe

Em leitura:

O Outono Árabe

Tamanho do texto Aa Aa

Nove meses após a revolução, o partido islâmico Ennahda venceu as primeiras eleições livres na Tunísia. Conquistou 90 dos 217 assentos da Assembleia Constituinte, três vezes mais do que os adversários do Congresso para a República, o partido laico com o qual os islamistas terão de negociar mas em posição de força.

A mãe de Mohamed Bouazizi – o homem que ao imolar-se pelo fogo desencadeou a primavera árabe – pôde votar, orgulhosa pelo sacrifício do filho. Os tunisinos que fugiram do seu país há nove meses contam as suas histórias.

Foi em Sirte, na Líbia, que se deu a batalha final entre os pró-kadhafi e os rebeldes. Após longos meses de guerra, o regime caiu, mas os civis de Sirte pagaram um pesado tributo.

Em Misrata, a outra cidade líbia cenário de fortes combates, milhares de pessoas celebraram a queda do regime anunciada pelo CNT a 23 de outubro. Agora, é preciso gerir o pós-guerra e garantir a segurança.