Última hora

Em leitura:

"Anonymous- Quem foi o verdadeiro autor das obras assinadas por William Shakespeare?"


cinema

"Anonymous- Quem foi o verdadeiro autor das obras assinadas por William Shakespeare?"

Em parceria com

Habituado a filmes sobre ficção científica e catástrofres naturais, Roland Emmerich entrou agora pelo campo da literatura.

“Anonymous” é a nova história do cineasta alemão que põe em causa toda a obra de Shakespeare.

O filme histórico é passado na Inglaterra do século XVI e especula o que durante séculos foi motivo de intrigas: “Quem foi o verdadeiro autor das obras que aparecem assinadas por William Shakespeare?”

Questão que está a gerar grande polémica, sobretudo na terra natal do dramaturgo. Roland Emmerich afirma que “foi surpreendente a grande reação em Inglaterra. Sempre pensei surgissem reações, mas nunca tão fortes. De qualquer forma, são bem-vindas porque esse era o objetivo do filme: começar esta discussão e as pessoas estão a falar sobre isso. Assim sendo fico contente.”

No filme, o cineasta defende que grandes obras como “Hamlet” e “Romeu e Julieta” terão sido escritas por Edward De Vere, conde de Oxford, interpretado pelo ator galês Rhys Ifans. Ifans afirma que “não existe uma resposta definitiva sobre quem é verdadeiro autor dos textos. O que estamos a fazer é a apresentar uma teoria muito válida. Desafio qualquer Stratfordiano a apresentar uma melhor.”

Na terra natal de Shakespeare, Stratford-upon-Avon, já há uma campanha contra o argumento do filme “Anonymous”. Nos bares e nas ruas, as marcas relacionadas com o dramaturgo foram retiradas como sinal de protesto.

Stanley Wells, presidente da associação “The Shakespeare Birthplace Trust, afirma que “não há qualquer prova, esta história é fabricada. É uma teoria da conspiração que já está em marcha há 150 anos. Começou pouco depois da morte de Shakespeare, mas durante a sua vida ninguém duvidou da autoria das obras. Se for à igreja vai ver um monumento em homenagem a William Shakespeare de Stratford-upon-Avon, com inscrições em latim e em inglês aclamando-o como um grande escritor.”

O cineasta alemão contesta e lembra que “há muitas motivos, por exemplo, o facto de não ter mencionado qualquer livro no testamento, o facto de não ter qualquer carta ou texto escrito com a própria letra, o facto do genro ter escrito um diário e nunca ter referido que o sogro era um famoso escritor.”

O novo e controverso filme sobre Shakespeare já estreou nos Estados Unidos e no Reino Unido e deve chegar às salas de cinema portuguesas em Dezembro.

Artigo seguinte

cinema

Muito cinema árabe no Qatar