Última hora

Última hora

Tailândia: O carteiro de Banguecoque

Em leitura:

Tailândia: O carteiro de Banguecoque

Tamanho do texto Aa Aa

Em Banguecoque as casas podem estar inundadas, e as ruas cobertas de água suja, mas nada impede que um intrépido carteiro que faz a distribuição numa comunidade alagada, leve a carta a Garcia.

“Tornou-se difícil fazer o meu trabalho. Normalmente, o giro é rápido, mas agora não posso andar depressa. Na verdade não quero vir até aqui porque a água está muito alta, mas tem de ser porque as pessoas precisam do correio”, disse Soyod Somsamai.

Na água existem sanguessugas e já houve quem avistasse crocodilos em algumas zonas, mas a grandes preocupações de Soyod Somsamai são servir as pessoas, e manter os pés limpos e secos depois de terminado o trabalho.

Quinze dos 50 distritos de Banguecoque estão inundados e seis foram evacuados.

As inundações começaram no final de julho e agravaram-se com chuvas de monção fora do normal e uma série de tempestades tropicais.

Já morreram cerca de 380 pessoas e foram destruídos milhões de hectares de terreno de cultivo.