Última hora

Última hora

Gasoduto Nord Stream deixa a Ucrânia de fora

Em leitura:

Gasoduto Nord Stream deixa a Ucrânia de fora

Tamanho do texto Aa Aa

Foi em 2005 que a Europa Ocidental e a Rússia se entenderam sobre a construção do gasoduto Nord Stream.

Trata-se da ligação mais direta entre as vastas reservas de gás russas e os mercados energéticos da União Europeia. O projeto só deve estar completamente operacional no último trimestre de 2012.

O sistema, com 1224 quilómetros de extensão, instalado no fundo do mar Báltico, terá uma capacidade para transportar 55 biliões de metros cúbicos de gás por ano.

A empresa russa Gazprom detém 51 por cento da Nord Stream. Os outros acionistas são as alemãs BASF e E.ON, a holandesa Nederlandse Gasunie e a francesa GDF Suez.

O gasoduto Nord Stream deve permitir o abastecimento da Europa durante pelo menos meio século. Com cerca de 140 mil milhões de metros cúbicos de gás exportados para a Europa, a Rússia garante cerca de 40% das importações de gás europeias.

O percurso evita o trânsito pela Polónia e Ucrânia, países com os quais a Rússia tem tensões políticas.

O primeiro-ministro russo considerou que com o transporte do gás russo para a Europa sem intermediário, a Ucrânia perderá o monopólio.