Última hora

Última hora

Fim do El Dorado espanhol

Em leitura:

Fim do El Dorado espanhol

Tamanho do texto Aa Aa

Desde 2005, mais de 700 mil trabalhadores estrangeiros solicitaram a regularização da situação em Espanha.

Foi numa época em que o país tinha uma taxa de crescimento boa e a mão de obra era necessária.

Os romenos, seguidos dos equatorianos lideravam os pedidos.

A rádio RK20 tem como público alvo a comunidade romena e é em língua romena que faz a campanha eleitoral espanhola. São 883 mil romenos em Espanha, 216 mil só na região de Madrid, e constituem a comunidade estrangeira mais numerosa e bem integrada no país.

Felix Damian, journalista, há nove anos em Espanha, com dois filhos, lembra-se do início dos anos 2000:

“- Havia muitíssimo trabalho em Espanha, muita necessidade de mão de obra, barata, é verdade, mas chamavam as mulheres e os filhos, que se integraram muito bem aqui.”

Com a crise mudou tudo, como constatou a família Dragan. A viver em Espanha há 13 nos, onde nasceu o filho Ioan, viu-se obrigada a fechar uma empresa de pintura. Depois de 22 de Julho, os romenos são obrigados a ter um contrato de trabalho para ficar em Espanha, mas os Dragan já são residentes de longa data. Só que estão sem trabalho e visto de permanência.

“Nem eu nem o meu marido estávamos inscritos na Segurança Social, portanto não temos fundo de desemprego. Afetou-nos porque estamos sem trabalho.

Queremos regressar ao nosso país mas temos um crédito imobiliário que estamos a pagar há nove anos, temos o filho na escola, completamente integrado, nascido aqui…vamos continuar a lutar…por agora”.

Gerardo Beniger é espanhol. Tem 30 anos e formou-se em sociologia, com percurso no Reino Unido. Especializou-se em comércio internacional, no qual tem dois anos de experiência. Apesar do curriculo, não espera conseguir trabalho em Espanha.

“- Estudámos, fomos para o estrangeiro, aprendemos línguas e fizémos pós graduação, milhares de estágios…mas quando queremos fazer um projeto de vida, é impsosível”.

Cansado de ir a entrevistas intermináveis para nada, em Espanha, Gerardo está decidido:

“- Fui a entrevistas na Holanda e, na quinta-feira, tenho uma na Alemanha.”

Gerardo está pronto para partir imediatamente.