Última hora

Última hora

Os italianos e o novo governo

Em leitura:

Os italianos e o novo governo

Tamanho do texto Aa Aa

Os italianos sabem o que lhes espera, ou seja, mais austeridade. Mas muitos têm esperança de que os problemas económicos sejam resolvidos. Loredana Pompei, é proprietária de um café em Roma há doze anos. Ela explica o que pensa do novo governo. “Não acredito em milagres. Receio que o novo governo imponha mais impostos.

Convido o novo primeiro-ministro a permanecer tecnocrata e a não tornar-se político”, diz.

Fabrizio Forquet, chefe de redação de um dos mais reputados jornais italianos de economia – o sole24ore – explica com detalhe o que os cidadãos podem esperar do antigo Comissário Europeu.

“Eles fazem referência a mais cortes orçamentais de cerca de 25 mil milhões de euros. Por isso, não será muito fácil de aceitar. Monti tem que avançar com uma série de reformas imediatamente… a Itália precisa de rigor mas também de crescimento económico. O projeto de reforma de Mario Monti impõe grandes sacrifícios à sociedade italiana. A sociedade italiana poderá aceitar esses sacrifícios se os políticos fizerem o mesmo, ou melhor, fazer mais sacrifícios do que o povo”, refere.

Em Itália muda o governo mas o buraco económico-financeiro é o mesmo e os tempos que se avizinham para os italianos não são de bonança.