Última hora

Última hora

Papademos garante em Bruxelas que implentará acordo com a troika

Em leitura:

Papademos garante em Bruxelas que implentará acordo com a troika

Tamanho do texto Aa Aa

Em meados de Dezembro, a Grécia corre o risco de entrar em bancarrota se não receber os oito mil milhões de euros da última tranche do resgate concedido em 2010. O primeiro-ministro interino, Lucas Papdemos, deslocou-se pela primeira vez a Bruxelas para garantir que a nova coligação está em sintonia.

“Os líderes dos partidos que fazem parte do governo já manifestaram o seu compromisso, pelo facto de estarem de acordo com as tarefas definidas pelo governo, ao qual deram também um voto de confiança. Tal significa que confiam que o governo vai levar a cabo os desafios que tem à sua frente”, disse Lucas Papademos.

As eleições na Grécia estão marcadas para 19 de Fevereiro, mas o presidente da Comissão Europeia alertou que o país não deve perder tempo com guerras partidárias.

“O que é necessário agora é concentrarmo-nos na implementação. Precisamos de menos discussão política e de mais compromisso e implementação”. afirmou José Manuel Barroso.

Em causa está o facto dos conservadores da Nova Democracia recusarem assinar um documento de compromisso com as condições impostas para o segundo resgate, de 130 mil milhoes de euros, exigido pela troika.

“Penso que o facto do primeiro-ministro ainda não ter garantia de apoio, coloca em risco as negociações. Sem esse acordo escrito, a Alemanha não disponibilizará o dinheiro. E sabemos que nada é possível na Europa sem a Alemanha”, referiu à Euronews Zsolt Darvas, analista do Bruegel Institute.

O correspodente da Euronews, Paul Hackett, realça que “os principais decisores da União Europeia apreciam a vontade do novo primeiro-ministro grego. Mas a realidade é que Lucas Papademos precisa do apoio por escrito de todos os membros da coligação para amenizar os temores na zona euro de que a Grécia não volta atrás nas promessas relativas ao resgate da dívida”.