Última hora

Última hora

A guerra "oculta" contra o nuclear iraniano

Em leitura:

A guerra "oculta" contra o nuclear iraniano

Tamanho do texto Aa Aa

O Irão está a tentar desenvolver a arma nuclear. A Agência Internacional de Energia Atómica, AIEA, confirmou-o num relatório publicado a 8 de novembro, o mais detalhado até agora sobre a dimensão militar do programa nuclear deste país.

A 17 de novembro, o diretor-geral da agência da ONU, Yukiya Amano, não ocultava a preocupação perante a gravidade das revelações: “Agora que tenho estas informações, e as avaliações apropriadas, tenho de alertar o mundo. É meu dever como diretor-geral.”

Mas o Irão nega as acusações e assegura que tem um programa apenas de caráter civil. O argumento não convence os países ocidentais, que adotaram novas sanções contra Teerão, apesar de haver suspeitas sobre outras ações de natureza menos diplomática.

Em 2010, foram mortos vários cientistas na capital iraniana, todos especialistas no âmbito da energia nuclear. Teerão atribuiu os homicídios a grupos opositores, alegadamente dirigidos por agentes israelitas.

A este atentados, que poderão ser resultado de uma guerra oculta, juntam-se os ciberataques para entorpecer o sistema nuclear iraniano.

Em 2010, o vírus Stuxnet infetou os sistemas informáticos industriais do Irão. Teerão acusou os Estados Unidos e Israel, desmentindo que a central de Bouchehr tivesse sido atingida. Pouco depois, os vírus Stars e Duqu, autênticas ciberarmas, foram detetados pelos iranianos

Esta “guerra” contra a República Islâmica estará na origem da misteriosa explosão na base de mísseis de Bid Ganeh, a 14 de novembro. Cerca de vinte guardas da revolução morreram na deflagração, qualificada pelo regime como “acidental”. Os media israelitas falaram em intervenção da Mossad, para finalmente provocar uma resposta dos iranianos.

Neste cenário de provocação, o regime dos ayatollahs parece manter a calma, para evitar uma escalada que considera uma armadilha. Se caírem nela, Israel pode justificar a concretização de raides aéreos contra as instalações nucleares da República Islâmica.

Artigos relacionados:- Reza Taghizade: “se o Irão não sentir perigo militar não abandona abordagem nuclear”