Última hora

Última hora

Rússia: Liberdade na internet ameaçada

Em leitura:

Rússia: Liberdade na internet ameaçada

Tamanho do texto Aa Aa

Estes são os vídeos que provocaram a cólera dos internautas russos. Na mesa de voto 2501, em Moscovo, um dos responsáveis tem movimentos suspeitos. Interpelado por um voluntário, que o filma, ele nega ter preenchido boletins de voto e de tê-los depositado, depois nas urnas.

Colocado a circular na internet, o vídeo dá credibilidade às acusações de fraude nas eleições, de domingo, na Rússia.

Na terça-feira, cerca de 5 mil pessoas protestaram no centro de Moscovo.

Esta foi considerada a maior manifestação na Rússia, nos últimos dez anos. Um protesto que começou nas redes sociais.

Os manifestantes são detidos, os “media” do Estado ignoram o caso, mas não a internet.

As visitas a sítios como o “Ridus”, uma agência de informação em linha, disparam. É o efeito “bola de neve”.

A Praça do Triunfo, em Moscovo, foi o palco dos protestos que o fotógrafo e bloguista Ilya Varlamov, filmou e depois colocou na internet.

“As pessoas que nunca, até agora, se tinham interessado pela política e que estavam muito afastadas dela, começaram a perceber que está a acontecer algo de errado, que os políticos não dizem a verdade e que estão a ser enganadas. Por isso, começaram a procurar informação na internet, por consequência, todas as informações sobre os comícios e os relatórios, são, agora, muito populares. As pessoas estão a discuti-los e eu estou a tentar informar os meus leitores do o que realmente está a acontecer”, assegura Varlamov.

A emergência de uma classe média, na Rússia, rica e bem formada, extravasou o contrato social “salsichas em troca da democracia”, que funcionou durante a presidência Putin.

A Rússia tem, hoje, mais de 50 milhões internautas. Ou seja, um terço da população procura informação na internet em portais como o da Radio Echo, de Moscovo.

“Tivemos dois milhões de visitas por dia, no nosso portal, em novembro. Dois milhões por dia! Claro que publicamos informações sobre as violações dos direitos dos cidadãos pela comissão eleitoral”, informa o editor Alexei Venedkitov.

No dia das eleições muitos sítios independentes e bloques da oposição, que publicaram informações sobre as fraudes, foram alvo de ataques de piratas informáticos.

Até agora livre, a blogosfera russa teme ser amordaçada.