Última hora

Última hora

Arménios saúdam lei francesa sobre o "genocídio"

Em leitura:

Arménios saúdam lei francesa sobre o "genocídio"

Tamanho do texto Aa Aa

Na Arménia, a decisão da França foi recebida com satisfação. Junto ao Museu do Genocídio, no centro de Erevan, a capital do país, os testemunhos não faltaram:

“Estão a fazer isto pelo mundo inteiro, pelas novas gerações que estão a aprender a História através da internet e a internet está cheia de informação incorreta e isso pode induzir as pessoas em erro. Se o mundo não reconhecer e não condenar o genocídio arménio, o primeiro genocídio do século XX, isto pode acontecer outra vez”, defende um cidadão arménio.

Para o diretor do museu, Hayk Demoyan, é uma questão de princípio:

“Todas as negações de genocídios, especialmente ao nível de um estado, devem ser punidas”.

A Turquia e a Arménia têm feito alguns passos tímidos para o regularizar das relações, mas a leitura sobre a morte de um milhão e meio de pessoas em 1915 opõe os dois países.

A Arménia diz que foram mortos pelos otomanos turcos; a Turquia diz que foi uma consequência da guerra civil.