Última hora

Última hora

Ucrânia: reações à condenação de Tymoshenko

Em leitura:

Ucrânia: reações à condenação de Tymoshenko

Tamanho do texto Aa Aa

O tribunal ucraniano manteve, esta sexta-feira, a decisão de condenar Yulia Tymoshenko a 7 anos de prisão, pelo crime de abuso de poder.

Enquanto era primeira-ministra, em 2009, Tymoshenko é acusada de ter assinado um acordo de gás com a Rússia que prejudicou em milhões a empresa ucraniana Naftogaz.

Mas a decisão do tribunal é irreversível como explica a procuradora do processo: “ O pedido de recurso de Tymoshenko e da respetiva advogada foi recusado e o veridíto final do tribunal de Pechersk não mudou.”

Um membro do partido de Tymoshenko reagiu desta forma. “ Depois desta decisão o presidente Yanukovich deixa de ser um presidente para passar a ser um ditador do tribunal criminal”.

Os socialistas Fatherland consideram o ato como uma vingança pessoal do presidente da Ucrânia Viktor Yanukovych.

Yulia Tymoshenko encabeçou a “revolução laranja” em 2004 e foi uma economista de sucesso e controversa na indústria petrolífera.

É uma das personalidades mais ricas da Ucrânia.

Os assessores alegam que se o tribunal de Estrasburgo reconhecer que não houve um julgamento justo, ela terá de ser liberada.

Os Estados Unidos e a Europa criticaram a prisão da ex-primeira ministra.

A União Europeia, inclusive, recusou-se a assinar esta semana um importante acordo com o governo de Kiev.