Última hora

Última hora

A crise da Educação

Em leitura:

A crise da Educação

Tamanho do texto Aa Aa

Em todo o mundo, a crise está a ter um forte impacto na educação. Os cortes drásticos na despesa pública não poupam as escolas. Os estudantes saem às ruas e os governos tentam manter a educação como um direito básico. Visitámos dois países particularmente atingidos pelo rigor financeiro, a Grécia e o Chile, e conversámos com Ellen Hazelkorn, uma especialista que levanta o véu sobre o que nos reserva o futuro.

Grécia: Pão, Educação, Liberdade

Na Grécia, austeridade é a palavra de ordem. Com falta de recursos e de financiamento nas escolas públicas, alguns estudantes voltam-se para o ensino privado de forma a compensar as falhas do setor público. Uma carga adicional para as famílias já sobrecarregadas de impostos.

As “frontistiria” são escolas privadas que custam uma média de 4000 euros por ano. São consideradas indispensáveis para preparar devidamente os alunos para os exames de acesso ao ensino superior grego, como explica Irini Karioti, professora de Literatura: “Nas condições atuais de ensino público, mesmo com os melhores professores, os alunos pensam a priori que não conseguirão entrar na universidade se não assistirem a aulas privadas no verão ou inclusive no ano anterior ao ingresso na Ensino Superior.”

Universidades como multinacionais

Ellen Hazelkorn, Diretora do Departamento de Investigação sobre Políticas Educativas Universitárias, no Instituto de Tecnologia de Dublin, analisa o impacto da crise sobre a educação a longo prazo: “No futuro veremos algumas universidades tornarem-se multinacionais, como já acontece nos Estados Unidos com campi universitários em várias partes do mundo, inclusive no Médio Oriente. As universidades têm de reestruturar-se, fixar prioridades, necessidades orçamentais. Também têm de mudar os programas educativos. A oferta de disciplinas diminui e isso tem um impacto na qualidade do ensino.”

Chile: Ensino público demasiado caro

Valparaiso é juntamente com a capital chilena o epicentro das mobilizações estudantis.

Nesta cidade portuária encontra-se o Parlamento, que deve examinar uma reforma educativa que poderá contornar o sistema educativo herdado da era de Pinochet.

As escolas e institutos até agora financiados pelas autarquias poderão passar a estar sob alçada do Estado.

Uma reivindicação que mobilizou, em mais de 40 ocasiões, estudantes e professores, desde o passado mês de maio.