Última hora

Última hora

Romney ganha fôlego para as primárias da Carolina do Sul

Em leitura:

Romney ganha fôlego para as primárias da Carolina do Sul

Tamanho do texto Aa Aa

Ganhou o favorito, sem surpresas. Mitt Romney o polémico candidato republicano ganhou na rua os apoios necessários para as eleições primárias de New Hampshire. Tem agora como objectivo a Carolina do Sur o 21 de janeiro.

“Obrigado, New Hampshire, hoje fizemos história . Mas sabem que, se agora celebramos, amanhã regressamos ao trabalho”, congratulou-se.

A direita social e religiosa da Carolina do Sul constitui um enorme desafio para Romney.

Na Carolina do Sul o voto conservador pesa muito. E o Tea Party, ala ultraconservadora do Partido Republicano, ainda pesa mais. No entanto, talvez por isso, Romney lidera as sondagens, mesmo que por pequena a margem.

O segundo candidato nas sondagens em New Hampshire, o atípico Ron Paul espera mudar o contador na Carolina do Sul.

Se obtiver um bom resultado pode situar-se como rival direto de Romney.

Paradoxalmente o decano dos candidatos é o herói da juventudes republicana.

Tem um discurso sobre defesa das liberdades e da Constituição, assim como posições económicas radicais.

A batalha dos finalistas desta corrida coloca Paul frente a Huntsman.

Terceiro em New Hampshire, conta obter melhor posição na Carolina do Sul. O mais moderado dos republicanos, apesar do entusiasmo, está muito atrás nas sondagens.

Hunstman:

“- Agradeço, senhoras e senhores. O terceiro lugar agora foi um bilhete para a Carolina do Sul. Obrigado”.

A campanha da Carolina do Sul promete tornar-se numa guerra acesa. Para todos os republicanos o alvo a abater é Romney. Tudo na sua vida está a ser ‘esmiuçado’.Mas ele continua apresentar-se como um candidato muito forte e credível para se apresentar contra Obama .

“A Carolina do Sul é muito diferente para Romney”

Jeffrey Frieden, professor da Universidade de Harvard, em Boston, comenta os resultados das primárias republicanas.

Euronews: Como avalia os resultados de New Hampshire?

Jeffrey Frieden: São mais ou menos os esperados. Mitt Romney esteve bem. Ficou em primeiro e obteve quase 40% dos votos. Parece-me que isso fica perto do melhor resultado que ele poderia esperar em New Hampshire, que é um Estado que sempre lhe foi favorável.

A dúvida principal na cabeça da maioria das pessoas, quando nos aproximávamos das primárias, era quem ia ficar em segundo. E a questão que muitos de nós colocavam era se Jon Huntsman conseguiria tirar o segundo lugar a Ron Paul. Huntsman quase que não investiu no Iowa e investiu tudo em New Hampshire, que é um Estado que está mais inclinado para a sua espécie de posição política republicana moderada. Huntsman esteve razoavelmente bem, com cerca de 16% dos votos, mas não ficou em segundo. Ficou bem atrás de Ron Paul e, como tal, o resultado principal disto será questionar a viabilidade da candidatura de Huntsman.

E: Mencionou a Carolina do Sul e que o New Hampshire foi, em geral, amigável com Romney. A Carolina do Sul tem uma taxa de desemprego mais elevada que a média nacional e Mitt Romney é um multimilionário que fez dinheiro ao comprar empresas e dividi-las, muitas delas na Carolina do Sul. Como é que acha que ele se vai sair nesse Estado?

JF: A Carolina do Sul é um ambiente muito diferente para Romney. É um estado muito mais conservador. A maior parte das estimativas aponta para que 70 por cento dos votantes republicanos sejam cristãos evangélicos. Há algumas interrogações sobre se estas pessoas podem estar preocupadas com o facto de Romney ser um mórmon. Há também uma questão séria em relação a alguns dos problemas económicos que mencionou. A Carolina do Sul tem uma taxa de desemprego bastante elevada e há um grande ressentimento contra o tipo de engenheiros financeiros que Romney representa para algumas pessoas. Romney não é tão conservador como a média dos eleitores republicanos na Carolina do Sul. Portanto, ele enfrenta um ambiente muito mais difícil na Carolina do Sul. Isto vai ser um verdadeiro teste à sua habilidade para conseguir o apoio dos mais conservadores e especialmente da ala socialmente mais conservadora do partido Republicano. Se Romney tiver um bom desempenho na Carolina do Sul, eu diria que a nomeação é claramente sua. Se, pelo contrário, tiver um mau desempenho, se ficar em segundo ou terceiro, então a corrida continua.

E: Para já, não há sinais de que algum dos corredores queira abandonar a corrida. Isso parece estar a dividir o voto conservador e a beneficiar Mitt Romney…

JF: Absolutamente. O campo republicano está muito fragmentado e a ala conservadora do partido republicano não conseguiu unir-se em torno de um único candidato. Penso que isso se deve largamente ao facto de haver falhas em cada um dos candidatos. Newt Gingrich é provavelmente o mais experiente politicamente, mas tem muitos, muitos inimigos dentro do partido. Pessoas como Rick Perry, Santorum, Bachman – que já desistiu -, outros têm algum apoio dentro da ala conservadora, mas cada um deles tem fraquezas graves. Portanto, eu penso que uma das coisas que está a ajudar Romney é que tem três ou quatro rivais conservadores e nenhum deles parece conseguir unir o resto do eleitorado em volta dele.