Última hora

Última hora

Airbus supera Boeing em 2001

Em leitura:

Airbus supera Boeing em 2001

Tamanho do texto Aa Aa

A fabricante europeia de aviões Airbus superou a rival Boeing, em 2011, e entregou mais aeronaves do que a norte-americana, pelo nono ano consecutivo.

Apesar dos bons resultados, os europeus admitem que podem ter dificuldades em manter o primeiro lugar, nas encomendas deste ano.

A Airbus deve os seus bons resultados à crescente procura de aviões na Ásia e no Médio Oriente.

A Airbus recebeu encomendas recordes de 1608 aeronaves em 2011, num total líquido de 1419.

A Boeing teve encomendas num total líquido de 805 aeronaves.

Para o CEO da Airbus, o bom resultado deve-se, em grande parte, ao novo A320 neo.

Thomas Enders afirma que “tem sido um ano muito bom. A principal razão para o nosso grande êxito nas vendas foi, obviamente, termos oferecido uma nova versão do A320. O A320 neo, consome consideravelmente menos combustível e, num mundo onde o preço do petróleo está sempre a subir, as companhias aéreas necessitam de aeronaves de consumo eficiente. É isso que está por detrás do nosso êxito em 2011.”

Thomas Enders mostra-se otimista em relação aos tempos vindouros e acredita que o futuro da aviação vai passar pelos mercados emergentes.

“Voar, no passado, só acontecia, literalmente, na América do Norte, Europa Ocidental e sudeste Asiático. Isso corresponde a cerca de um bilião de pessoas. Os mercados emergentes correspondem a cerca de cinco biliões e é aí que a aviação está prestes a arrancar. Há aí um grande potencial e essa é a fonte do nosso grande otimismo na aviação,” afirma o CEO da Airbus.

Thomas Enders é apontado como o provável sucessor de Louis Gallois, no cargo de presidente do grupo EADS, que controla a Airbus.

Enders não confirma e mostra-se cauteloso.

“Preciso de ser muito diplomático em relação a isso. Não depende de mim, é o conselho de administradores que toma a decisão. Acreditem que tenho um dos melhores trabalhos da indústria, certamente na Europa, sendo CEO da Airbus. Existem problemas piores do que ser CEO da Airbus,” remata.