Última hora

Última hora

Assassínio de Hrant Dink foi ato solitário para a justiça turca

Em leitura:

Assassínio de Hrant Dink foi ato solitário para a justiça turca

Tamanho do texto Aa Aa

Familiares, amigos e apoiantes de Hrant Dink manifestaram-se ontem em Istambul para exigir um novo inquérito à morte do jornalista, de origem arménia, em 2007.

O protesto ocorreu após a justiça ter rejeitado a tese de que o assassínio foi obra de um grupo organizado, com eventuais ligações a responsáveis da polícia turca.

Os juízes condenaram ontem o principal instigador do crime à pena perpétua, absolvendo 19 eventuais cúmplices, entre os quais um informador da polícia, condenado noutro processo paralelo.

Um manifestante afirma, “este processo é um desastre, aqueles que cometeram crimes organizados foram condenados como se fosse um ato solitário”.

O assassino, Ogun Samast, tinha sido já condenado em julho a 22 anos de prisão, por um tribunal de menores.

Hrant Dink, antigo editor do jornal Agos, era uma das vozes mais críticas da atitude de Ancara de não reconhecer o genocídio arménio.

A Amnistia Internacional apelou ontem à justiça turca para que investigue todas as circunstâncias do crime.