Última hora

Última hora

Norte-americanos manifestam-se contra propostas antipirataria

Em leitura:

Norte-americanos manifestam-se contra propostas antipirataria

Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas manifestaram-se, em Nova Iorque, contra as duas propostas antipirataria em discussão nos Estados Unidos.

Para os internautas a legislação em cima da mesa – e que pode ser aprovada nos próximos dias – é sinónimo de censura e pedem ao Congresso para que reconsidere em nome da liberdade da expressão.

“Sou engenheira informática e a ideia de que alguém possa fechar o site para o qual trabalho, que a minha empresa me paga para trabalhar, parece-me uma péssima ideia” afirma uma manifestante.

“Penso que as propostas enviam um sinal errado aos governos. A internet deve ser um meio livre de promoção da democracia. Os Estados Unidos tentam convencer a China e o Irão a não censurar os conteúdos e não deviam, por isso, dar um mau exemplo” refere um norte-americano.

Esta quarta-feira, os internautas viram bloqueado o acesso a várias plataformas. A Google e a Wikipédia foram duas das empresas aderir ao protesto.

As propostas são apoiadas pelos grandes grupos de media. O objetivo, garantem, é proteger os direitos de autor e acabar, por exemplo, os “downloads” ilegais.

Para David Smith do Instituto Potomac para os Estudos Políticos “esta é uma tentativa para resolver um problema sério, ou seja, o roubo da propriedade intelectual norte-americana feita através da internet.”

A Casa Branca considera que é preciso travar a pirataria, mas recusa apoiar qualquer tipo de proposta que limite a liberdade de expressão.