Última hora

Última hora

Austeridade "ofusca" crescimento na cimeira da UE

Em leitura:

Austeridade "ofusca" crescimento na cimeira da UE

Tamanho do texto Aa Aa

Greve geral na Bélgica, aumento dos custos para obter liquidez em Portugal, queda do crescimento económico em Espanha. Apesar das críticas de que a austeridade está a matar a esperança na União Europeia, os chefes de Estado e de governo reuniram-se, em Bruxelas, com o propósito de obter um acordo sobre um pacto de disciplina orçamental, mas há vozes céticas sobre se cumprirá os objetivos.

“Não vai resolver a atual crise do euro, porque se foca apenas na disciplina orçamental. Mas para resolver a crise temos de lidar com a questâo da solidariedade, de como poderemos mutualizar a dívida e baixar as taxas de juros”, afirma o eurodeputado Guy Verhofstadt, líder da Aliança dos Liberais e Democratas.

São as chamadas euro-obrigações, de que a Alemanha não quer ouvir falar, preferindo sanções contra défices excessivos e um novo mecanismo europeu de resgate permanente com 500 mil milhões de euros.

Já o objetivo do crescimento e emprego deverá passar por novas políticas ao nível da juventude, de ajuda às pequenas e médias empresas e do aprofundamento do mercado único.

“Gostaria que depois desta cimeira, se cristalizasse a ideia de que a Europa não tem outra opção senão consolidar as finanças públicas e direcionar também os seus esforços para aumentar o crescimento e o emprego”, disse Jean-Claude Juncker, primeiro-ministro do Luxembrugo, que é também presidente do Eurogrupo.

Apesar da menção ao crescimento, fica claro que a Europa quer dar provas aos mercados financeiros de que a prioidade é resolver a crise da dívida soberana. Isto sobretudo com o agudizar da situação na Grécia, que ainda não chegou a acordo com os credores privados sobre perdão de parte da sua dívida e que poderá entrar em bancarrota em meados de Março.

“As negociações decorrem em ritmo lento no Conselho da União Europeia. Os 27 membros pretendem terminar a noite com pelo menos um acordo sobre o pacto orçamental. Quanto à situação delicada da Grécia tal deverá ser remetido, de acordo com informações não confirmadas, para uma cimeira especial em meados de fevereiro”, explica a correspondente da euronews em Bruxelas, Margherita Sforza.