Última hora

Última hora

Bósnia: De inimigos a aliados

Em leitura:

Bósnia: De inimigos a aliados

Tamanho do texto Aa Aa

Há 17 anos eram inimigos, na guerra da Bósnia, hoje ajudam-se.
 
Em 2010 o governo da federação da Bósnia e Herzegovina dispensou os soldados acima dos 35 anos mas não disponibilizou o dinheiro das pensões. Muitos veteranos cairam na pobreza. Para tentar mitigar o problema, as autoridades bósnio-croatas criaram um fundo especial mas o mesmo não aconteceu na República Srpska. Hoje os veteranos bósnio-croatas realizam coletas para ajudar os veteranos sérvios.  
 
“Em 1994, naquela colina, numa trincheira lá em cima, Radovan Karadzic e Ratko Mladic jogaram xadrez e agora estamos nós aqui a realizar esta coleta de dinheiro para essas mesmas pessoas que atiraram contra nós. São nossos camaradas, serviram connosco nas Forças Armadas da Bósnia e Herzegovina. Eles não têm quaisquer direitos por isso realizámos uma coleta para que os seus filhos possam sobreviver,” informa o veterano bósnio, Nihad Grabovica.
 
A Guerra da Bósnia teve início em 1992 e terminou em 1995. Cerca de cem mil pessoas morreram e mais de 2 milhões foram deslocadas.
 
Finda a guerra e criada a Federação da Bósnia e Herzegovina, os veterenos vêem-se, hoje, na situação de terem de ajudar os antigos inimigos a sobreviver. 
 
O veterano bósnio, Senad Hubijer diz: “os políticos enganaram-nos naquela época. Deram-nos armas quando tínhamos 16 ou 17 anos, acabados de sair da escola. Foi a política deles que nos fez matar-nos uns aos outros. Agora, 15 ou 16 anos mais tarde, encontramo-nos na situação de nos ajudarmos uns aos outros pois os políticos não nos querem ajudar.”
  
Cada veterano croato-bósnio contribui com 5 euros para ajudar os veteranos da República Srpska.
 
A primeira tranche deste fundo, cerca de 5 mil euros, será distribuída pelas famílias que se encontram em situação mais desesperada.