Última hora

Última hora

A revolução dos cravos síria

Em leitura:

A revolução dos cravos síria

Tamanho do texto Aa Aa

As imagens fazem lembrar a revolução dos cravos em Portugal, mas na Síria outras armas falam mais alto.
 
Dezenas de desertores juntam-se, diariamente, ao auto designado Exército Sírio Livre. Um contingente que de acordo com as últimas informações conta já com mais de 40 mil militares. Hoje festejam em Homs a mais recente derrota infligida aos soldados fiéis ao presidente, Bashar al-Assad.
 
Os combates entre apoiantes e opositores ao regime intensificaram-se nas últimas semanas. Testemunhas garantem que todos os dias estão a ser mortas dezenas de pessoas.
 
As Nações Unidas desistiram de contabilizar o número de vítimas mortais, que segundo os dados mais recentes há muito que ultrapassaram as cinco mil.
 
A vaga de contestação está a ser reprimida desde há 11 meses e os observadores da Liga Árabe mostraram-se incapazes de travar a violência.
 
Bashar al-Assad recusa abandonar o poder e insiste que são grupos armados que estão a semear o caos no país.