Última hora

Última hora

Egito: um aniversário sem revolução

Em leitura:

Egito: um aniversário sem revolução

Tamanho do texto Aa Aa

O aniversário da queda de Hosni Mubarak passou quase desapercebido, este sábado, no Cairo.

Apesar dos apelos à greve geral e a manifestações, a maioria da população preferiu seguir as indicações dos islamitas, não saindo à rua.

Depois de vários dias de protestos contra o conselho militar, os islamitas esperam ainda poder negociar a criação de um governo civil de união nacional, antes das próximas eleições em Junho.

Uma posição que demonstra uma divisão crescente no país, quando apenas algumas centenas de militantes pró-democracia desfilaram na praça Tahrir fiéis ao espírito da revolução de há um ano.

O correspondente da euronews no Cairo, Mustafa Bag, sublinha:

“Foram poucos os que responderam à campanha de desobediência civil prevista para hoje, depois da irmandade muçulmana ter recusado participar nos protestos. Mas esta forca instalada na praça Tahrir serve como uma advertência ao atual governo de que se arrisca a terminar como Mubarak há um ano”.