Última hora

Última hora

Berlim distingue irmãos Taviani, Miguel Gomes e João Salaviza

Em leitura:

Berlim distingue irmãos Taviani, Miguel Gomes e João Salaviza

Tamanho do texto Aa Aa

Um dos mais importantes festivais de Cinema do mundo não pode deixar de ser um Passeio da Fama. Mas a Berlinale é muito mais do que isso.

Este ano, a presença portuguesa teve, talvez, o maior destaque de sempre. Miguel Gomes apresentou a obra-sensação da mostra, “Tabu”, Prémio Internacional da Crítica e Prémio Alfred Bauer.

João Salaviza assinou a que foi considerada a melhor curta-metragem, “Rafa”, depois da Palma de Ouro em Cannes, em 2009.

O diretor do festival, Dieter Kosslick, assume que a aposta principal da programação assenta nos autores mais jovens.

O cineasta britânico Mike Leigh, presidente do júri, entregou o Urso de Ouro a dois realizadores octagenários, os irmãos Paolo e Vittorio Taviani, decanos do Cinema italiano. O filme chama-se “César Deve Morrer”, um docudrama passado numa prisão nos arredores de Roma, onde os próprios reclusos encenaram o “Júlio César”, de Shakespeare.

Paolo Taviani afirmou que, no momento em que anunciaram o prémio, pensou nos atores-presos, a quem atribui o mérito deste Urso de Ouro. O irmão Vittorio realça que “‘Júlio César’ é uma obra sobre a honra. E a maior parte destes reclusos consideram-se ‘homens de honra’, como são chamados na Máfia ou na Camorra.”

O Grande Prémio do Júri foi para “É Só o Vento”, de Bence Fliegauf, baseado nas estórias de perseguições aos rom na Hungria. Grande parte dos atores foi escolhida entre a comunidade cigana local.

O Urso de Prata para Melhor Realização foi parar às mãos de Christian Petzold, com o filme “Barbara”, sobre o percurso de uma médica na antiga Alemanha de Leste.

Com apenas 14 anos de idade, Rachel Mwanza, uma adolescente da República Democrática do Congo, recebeu o galardão de Melhor Atriz, pelo filme “Rebelde”, do canadiano Kim Nguyen.

A distinção para o Melhor Ator foi entregue ao dinamarquês Mikkel Boe Folsgard, por “Um Caso Real.” Folsgard realçou que este foi o seu primeiro trabalho profissional, uma vez que ainda está a fazer formação para ser… ator.