Última hora

Última hora

Fim do pesadelo sírio para os jornalistas franceses

Em leitura:

Fim do pesadelo sírio para os jornalistas franceses

Fim do pesadelo sírio para os jornalistas franceses
Tamanho do texto Aa Aa

Primeira noite em França para Edith Bouvier depois do pesadelo sírio. A jornalista gaulesa deu entrada no hospital militar de Val de Grâce, em Paris, pouco depois de aterrar em França. A repórter ficou gravemente ferida numa perna na sequência de um bombardeamento em Baba Amro, na cidade de Homs, no dia 22 de fevereiro.

O fotojornalista William Daniels, que ficou junto a Bouvier desde que foi atingida, regressou no mesmo voo num aparelho do Estado francês. Os dois jornalistas ficaram impedidos de abandonar o bairro sitiado devido ao ferimento de Edith Bouvier.

“Foram nove dias de pesadelo ininterrupto. Às vezes perdíamos a esperança por um pequeno detalhe sem importância. Quase todos os dias. Não passámos nem uma décima parte daquilo por que passam os habitantes de Baba Amro, e no entanto eles trataram-nos como reis. Eles fizeram tudo para que a Edith fosse bem tratada. Nós estávamos numa das casas mais bem protegidas. Essas gentes são uns heróis. Heróis que se fazem massacrar e ninguém faz nada” – afirmou William Daniels.

Os corpos da americana Marie Colvin e do francês Rémi Ochlick, mortos no mesmo bombardeamento que atingiu Edith Bouvier, foram recuperados pelas autoridades de Damasco e vão ser repatriados.