Última hora

Última hora

Passageiros do Costa Allegra falam em condições difíceis mas tripulação eficaz

Em leitura:

Passageiros do Costa Allegra falam em condições difíceis mas tripulação eficaz

Passageiros do Costa Allegra falam em condições difíceis mas tripulação eficaz
Tamanho do texto Aa Aa

Dezenas de passageiros do cruzeiro italiano Costa Allegra regressam a casa, depois de um duro périplo no Oceano Índico.

No aeroporto Fiumicino de Roma, muitos descrevem a falta de higiene e tensões entre passageiros do navio, confrontados com a falta de ar condicionado, água corrente, luz ou comida quente.

Uma mulher diz que depois de “quatro dias sem ar”, precisa de “consultar um médico e fazer exames”.

Quarenta e três passageiros do Costa Allegra chegaram também hoje ao aeroporto de Roissy, em Paris. Apesar de descreverem as condições difíceis a bordo, dizem-se satisfeitos com a tripulação.

Uma turista francesa explica que “não houve pânico. O capitão, Niccolo Alba, merece uma medalha, tal como a tripulação”.

O navio esteve à deriva durante um dia, na sequência de um incêndio, antes de ser rebocado até ao porto de Victoria, nas Seychelles, onde chegou ontem.

O presidente da filial francesa da Costa Crociere diz que “num curto período de tempo” registaram-se dois incidentes, com o Costa Concordia e o Costa Allegra: “o primeiro, uma catástrofe; o segundo, uma avaria. A companhia vai assumir as suas responsabilidades”.

Segundo a empresa, mais de metade dos 627 passageiros escolheram continuar as férias nas Seychelles, com uma ou duas semanas pagas pela Costa Crociere.