Última hora

Última hora

Super terça-feira dos republicanos dos Estados Unidos

Em leitura:

Super terça-feira dos republicanos dos Estados Unidos

Tamanho do texto Aa Aa

É um facto inédito que antes da super terça-feira se desconheça quem vai continuar na corrida à investidura republicana.

Mesmo que Mitt Romney tenha vantagem sobre Rick Santorum, Newt Gingrich e Ron Paul, a situação pode dar uma reviravolta.

Para Romney, que acaba de encadear quatro vitórias consecutivas, o desafio é evidente: continuar a ganhar terreno aos rivais.

Porque apesar da vantagem, este mormon que apoia a política económica de Obama e que encadeia as gaffes, especialmente sobre a própria fortuna, não consegue convencer a base republicana mais conservadora.

Este ano, 10 Estados votam na super terça-feira. Os resultados na Georgia, com 76 delegados, em Ohio com 66 e em Tennessee com 58, vão ser especialmente importantes.

Ao todo, 437 delegados vão ser designados na super terça, ou seja, quase metade do total.

Por agora, Romney lidera a corrida com 203 delegados.

Santorum conta, até ao momento, com o apoio de 92, longe de Gingrich com 33 e Ron Paul, com 25. Para fazer-se a investidura republicana são necessários 1.144 delegados.

O cristão conservador Rick Santorum está a fazer todo o possível para mudar o estado de coisas. O objectivo é ganhar no Ohio, Estado vizinho da Pensilvania onde foi senador durante 12 anos.

Precede-o a fama de ser um bom conhecedor da problemática de uma região em plena reconversão industrial, pelo que muitos dão por segura a vitória no Ohio.

Para o escritor e ex-presidente da Câmara dos Representantes , Newt Gingrich, o que conta é a Georgia, o Estado que o viu crescer e onde foi eleito durante 20 anos. Se obtiver os 76 delegados em jogo, pode continuar a ser um opção, caso contrário, a carreira termina para ele.

Mas o candidato que está mais perto do limbo é Ron Paul, que vai concentrar os esforços nos Estados em que se celebram os caucuses.

Aos 77 anos, este defensor da não agressão que assegura que a liberdade é o princípio mais importante na vida, vive com segurança a última campanha.

Cokie Roberts: “O eleitorado republicano est descontente com os candidatos”

Cokie Roberts está connosco em duplex, nos Estados Unidos. A corrida para a nomeação do Partido Republicano para presidente atinge uma etapa crucial com a super-terça-feira.
Adrian Lancashire, euronews – O que é que a actividade destes dois meses mostrou sobre os republicanos e sobre os indecidos?

Cokie Roberts – Os últimos dois meses mostraram que o eleitorado republicano ainda está descontente com o leque de candidatos. Apesar de Mitt Romney, governador do Massachusetts, continuar à frente, é ele que tem maior número de delegados até agora a candidatura dele é a melhor organizada, mas os eleitores ainda não estão completamente convencidos. Por isso continuam a votar nos outros também.

euronews – A “super terça-feira” vai definir a nomeação de um vencedor?

CR – Acho pouco provável que a “super terça” defina um vencedor. O que veremos é diferentes candidatos atingirem diferentes estágios.

Nunca vi uma nomeação republicana fazer-se sem um candidato destacado e nunca vi o aparelho republicano, os que estão nas sedes de campanha e organizam tudo estarem tão negativos sobre os candidatos.

Não são pessoas muito populares junto das bases.
Pode dividir-se a questão estre os candidatos por um lado e o que vai chegar à próxima eleição.

euronews – Mas ainda a chamamos Super.
O que é mais importante aqui? Os fundos de campanha, ligar-se emocionalmente aos eleitores, transmitir ideias?

CR -Os fundos para a campanha fazem realmente a diferença, pois permitem aos candidatos, principalmente a Mitt Romney, ir à televisão com publicidade muito negativa contra os adversários. É isso que tem provocado um efeito negativo nos eleitores, descontentes com todos os candidatos. Isto não melhora a situação dos republicanos para as eleições presidenciais de Novembro.

Também é verdade que tocar emocionalmente os eleitores é um elemento importante e é aíque Mitt Romney tem mais dificuldades.

É o “campeão das gaffes” que mostram quanto é rico, fala dos dois Cadillacs da mulher o que é algo demasiado luxuoso, esse género de coisas.
Por isso a conexão é importante.

euronews – Os eleitores têm mais contra ele…os Cadillacs ou a referência à corrida de automóveis de Nascar?

CR – Sim. Mitt Romney entrou no Daytona 500, uma famosa corrida Nascar, e quando lhe perguntaram se era um fã, e muitos milhões de americanos são fãs, ele respondeu que não era muito, mas que tinha amigos donos de equipas Nascar.

As pessoas comuns não conhecem donos de equipas de carros de corrida. Esses são os ricos. Cada vez que Mitt Romney sai do guião diz algo do genero, que desgosta os eleitores.

euronews – Que promessa de campanha ouviu que a levasse a pensar que não seria cumprida mal um republicano chegasse ao poder?

CR – A minha aposta vai para aquela que todos os candidatos repetem que não têm planos para mexer nos impostos e equilibrar orçamento, mas não tem sentido. A matemática diz o contrário.