Última hora

Última hora

França: atirador de Toulouse cercado desde as 3 da manhã

Em leitura:

França: atirador de Toulouse cercado desde as 3 da manhã

Tamanho do texto Aa Aa

O cerco ao homem mais procurado de França dura desde a madrugada desta quarta-feira.
 
O atirador que terá morto sete pessoas nos últimos dias está entrincheirado num edifício da cidade de Toulouse, no sudoeste do país.
 
A polícia continua a tentar negociar a rendição de Mohamed Merah, um francês de origem argelina de 23 anos, suspeito dos assassinatos de três crianças e um adulto à porta de uma escola judaica de Toulouse, na segunda-feira, e de três militares, a 11 e 15 de Março, na cidade francesa e na localidade vizinha de Montauban.


 
Os residentes do edifício onde Merah se encontra entrincheirado foram evacuados ao fim da manhã. O cerco dura desde, aproximadamente, as três horas da manhã e as negociações terão sido intercaladas com várias tentativas de assalto por parte da polícia.
 
Tanto o presidente francês, Nicolas Sarkozy, como o procurador de Paris, François Molins, disseram que o atirador se preparava para atacar novamente esta quarta-feira.
 
Molins afirmou que “ele pensava voltar a passar aos atos, desta vez contra um militar. Se o que ele diz é verdade, deveria abater um militar à saída da sua residência esta manhã. Também indicou que tinha outros projetos criminosos, que pretendia matar dois funcionários da polícia, que foram identificados. Ambos ocupam postos na região de Toulouse. Ele não exprimiu remorsos, lamentando apenas não ter tido tempo para fazer mais vítimas, e vangloriou-se mesmo de ter posto a França de joelhos”.
 
O atirador, que diz pertencer à Al-Qaida, explicou aos negociadores que “queria vingar-se da morte de crianças palestinianas” e protestar contra as intervenções militares francesas no estrangeiro.
 
Merah já era conhecido das autoridades francesas e tinha registo criminal, embora por pequenos crimes.
 
A radicalização terá acontecido no seio de um “grupo salafista” em Toulouse e, nos últimos anos, Merah viajou ao Paquistão e Afeganistão, onde chegou a ser detido.