Última hora

Última hora

Mali: golpistas afirmam que presidente está em "local seguro"

Em leitura:

Mali: golpistas afirmam que presidente está em "local seguro"

Tamanho do texto Aa Aa

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou, esta sexta-feira, o golpe de estado militar no Mali.
 
As forças revoltosas tomaram, durante a noite, o palácio presidencial em Bamako, detendo vários responsáveis da polícia e do governo.
 
O presidente Amadou Toumani Touré estará refugiado num campo militar na capital, mas algumas fontes garantem que teria procurado proteção na embaixada norte-americana na capital.
 
Interrogado sobre o paradeiro do chefe de estado, o capitão Sanogo, líder dos golpistas do auto-denominado Comité para o Restabelecimento da Democracia, limita-se a afirmar que, “o presidente está num local seguro”.
 
A rebelião, iniciada no quartel da cidade de Kita, propagou-se nos últimos dias à capital e ao noroeste do país, a um mês das presidenciais de 29 de Abril.
 
Os militares que não são apoiados pelas altas patentes protestam contra a corrupção e a falta de progressos no combate contra os rebeldes tuaregues no norte do país.
 
Desde a deposição do regime de Kadafi na Líbia, que milhares de mercenários teriam reintegrado as fileiras da rebelião tuarege no norte do país.
 
Em Bamako, um habitante afirma-se dececionado com a situação, “foi o presidente Touré que trouxe a democracia ao Mali e vê-lo assim deposto pelas armas… é uma situação que choca a África onde o Mali tinha uma reputação de regime democrático”.
 
Outro habitante afirma, “não posso dizer que esteja totalmente confiante quando são os militares que tomaram o poder. Os militares declaram uma coisa na televisão mas, na realidade, ninguém sabe o que é que têm em mente”.
 
As forças golpistas impuseram o recolher obrigatório na cidade e encerraram as fronteiras do país. Há notícia de pilhagens na capital, depois dos confrontos dos últimos dias terem provocado pelo menos três mortos, entre os quais se encontrarão civis. 
 
No norte, os rebeldes tuareges teriam aproveitado o caos para tomar a cidade de Anefis, segundo fontes militares.