Última hora

Última hora

França: Guerra fatal para o patrão da SFR

Em leitura:

França: Guerra fatal para o patrão da SFR

Tamanho do texto Aa Aa

O patrão da SFR é a primeira vítima da guerra que abala o mercado francês das telecomunicações móveis. Frank Esser, 53 anos, foi despedido com efeitos imediatos, após 11 anos no cargo. Será substituído por Jean-Bernard Lévy, atual presidente da Vivendi, casa mãe da SFR.

A empresa perdeu mais de 200 mil clientes desde janeiro, quando chegou ao mercado o quarto operador móvel, a Free Mobile, que propõe preços imbatíveis, através do aluguer de parte da rede da SFR.

Devido à concorrência rude, a Vivendi prevê uma queda de 15% dos lucros este ano e dificuldades no próximo. E os velhos rivais não escapam também. A France Telecom, casa mãe da Orange, reconhece ter perdido também mais de 200 mil clientes e a Bouygues Telecom anunciou já um plano de redução de custos para fazer face à queda das receitas.

Segundo o nosso correspondente em Paris, Giovanni Magi, “após anos de equilíbrio, o mercado francês das telecomunicações móveis sofreu um terramoto devido à Free que já tinha perturbado as linhas fixas. O presidente da SFR é o primeiro a pagar a fatura, mas os outros operadores são profundamente afetados pela revolução Free e Franck Esser poderá ser apenas a primeira de várias vítimas”.