Última hora

Última hora

Processo civil contra Strauss-Kahn abre hoje em Nova Iorque

Em leitura:

Processo civil contra Strauss-Kahn abre hoje em Nova Iorque

Tamanho do texto Aa Aa

A empregada do hotel Sofitel de Nova Iorque que acusou Dominique Strauss-Kahn de violação “quer que seja reconhecida a sua qualidade de vítima”.

A afirmação foi feita pelo advogado de Nafissatou Diallo, no dia em que tem lugar a primeira audiência do processo civil contra o ex-patrão do Fundo Monetário Internacional.

A Justiça norte-americana abandonou o processo penal depois de pôr em causa a credibilidade de Diallo. Os advogados de Strass-Kahn vão alegar a “imunidade” do então diretor-geral do FMI para tentar fazer cair também a queixa civil.

Em Paris, o especialista legal Christopher Mesnooh diz que “os advogados de Nafissatou Diallo vão tentar transportar para Nova Iorque o caso de Lille, para usar como prova das difíceis e problemáticas relações físicas e sexuais de Strauss-Kahn com as mulheres em geral. Os advogados de Strauss-Kahn vão, por seu lado, alegar que o assunto de Lille é distinto e irrelevante”.

O início do processo civil em Nova Iorque acontece dois dias depois do ex-patrão do FMI ter sido acusado de “proxenetismo” num escândalo de prostituição com origem no hotel Carlton da cidade de Lille, no norte de França.

O julgamento francês poderá valer-lhe uma pena de 20 anos de prisão e três milhões de euros de multa.