Última hora

Última hora

Myanmar: o dia de Aung San Suu Kyi

Em leitura:

Myanmar: o dia de Aung San Suu Kyi

Tamanho do texto Aa Aa

A oposição birmanesa denunciou várias irregularidades nas eleições legislativas parciais que decorrem este domingo no Myanmar.

Um sufrágio que pela primeira vez deverá abrir as portas do parlamento à oposição constituíndo um teste às reformas democráticas do governo herdeiro da junta militar.

Uma oportunidade para a líder histórica da oposição Aung San Suu Kyi de poder finalmente entrar no parlamento, depois da vitória nas eleições de 1990 ter sido anulada pelo regime militar.

“É a segunda vez que voto e espero que seja desta que consigo finalmente contribuir para a mudança”

“Esta eleição é positiva, pois o nosso presidente apoia a mudança e se Suu Kyi vencer talvez a situação possa melhorar no país”.

Em jogo no sufrágio, aberto pela primeira vez à oposição, estão apenas 45 dos mil lugares no parlamento controlados pelos ex-militares do atual governo.

A oposição denunciou hoje ter detetado uma tentativa de fraude sobre centenas de boletins que permitiria invalidar os votos nos opositores.

O governo reafirmou a vontade de prosseguir as reformas democráticas exigidas pela comunidade internacional em troca do levantamento das sanções ao país. O banco central birmanês deverá anunciar amanhã uma importante reforma do sistema monetário.