Última hora

Última hora

Itália: Bossi defende-se acusando governo de conspiração

Em leitura:

Itália: Bossi defende-se acusando governo de conspiração

Tamanho do texto Aa Aa

Parece ser o fim da carreira política para Umberto Bossi, líder e fundador da Liga Norte, partido populista e secessionista italiano que foi um dos principais aliados do Povo da Liberdade de Silvio Berlusconi.

Apanhado num escândalo de fraude e branqueamento de capitais, Bossi viu-se obrigado a demitir-se e à saída da sede do partido, esta manhã, afirmou que “a Liga Norte é perigosa. É vigiada de muito perto não apenas por ‘Roma a ladra’ que nos enviou este tipo de magistrados, mas também pelos nossos apoiantes. Por este motivo temos que agir corretamente.”

Bossi, de 70 anos, iniciou a carreira nos anos 80 a denunciar a corrupção no sistema político italiano. Como diz a expressão popular o feitiço parece ter-se virado contra o feiticeiro, mesmo se ainda há quem tenha dúvidas como provam as reações de alguns romanos ao escândalo que envolve Bossi.

“Ele pode ser um político arrogante, mas enquanto pessoa acho que é bastante íntegro.”

“Há dois dias o título de um grande jornal dizia ‘esta é uma nação de ladrões’. Acho que isso diz tudo e é por isso que a Itália está no estado em que está.”

“Ele é um dos muito poucos que se demitiu. Outros teriam despedido o tesoureiro do partido, mas não se teriam demitido.”

O problema é que o tesoureiro do partido, Francesco Belsito, demitiu-se do cargo na terça-feira por também estar implicado no escândalo de fraude e branqueamento de capitais.

De acordo com a investigação das procuradorias de Milão, Reggio Calábria e Nápoles, vários membros da família Bossi e altos responsáveis do partido utilizaram dinheiro da Liga Norte para pagar viagens e fazer obras em casa. Acusações que o ex-ministro das Reformas do último governo de Berlusconi rejeita.