Última hora

Última hora

Segunda noite de confrontos em Atenas após suicídio de septuagenário

Em leitura:

Segunda noite de confrontos em Atenas após suicídio de septuagenário

Tamanho do texto Aa Aa

Pela segunda noite consecutiva, os confrontos desceram às ruas de Atenas, junto ao Parlamento grego, onde, na quarta-feira, um reformado se suicidou, invocando a crise com motivo para o ato desesperado.

Várias centenas de pessoas voltaram a reunir-se na Praça Sintagma esta quinta-feira à noite, mas o protesto pacífico acabou em algumas escaramuças com as autoridades.

Durante o dia, a praça foi local de peregrinação para os que quiseram manifestar a sua dor, indignação e revolta com a situação que a Grécia atravessa. Para muitos o suicídio foi “um crime do Estado” e os culpados estão mesmo ali ao lado.

“Estamos todos tristes com o que aconteceu. Os únicos que não se incomodam com o que se passou são os 300 que estão ali” no Parlamento, afirmou um popular.

Na mesma linha, uma senhora afirmou tratar-se de “uma grande vergonha. Podia ter sido alguém da nossa família”, afirmou, lamentando que o seu bónus da Páscoa tenha sido de apenas 180 euros contra os 400 que recebia habitualmente, o que, defende, não lhe dá para viver, com a renda e as crianças para criar.

A morte do septuagenário foi manchete nos jornais para quem Dimitris Christoulas se transformou num mártir da Grécia.